Home Economia e Política G7 pede revogação imediata das proibições à comida japonesa, pressionando a China

G7 pede revogação imediata das proibições à comida japonesa, pressionando a China

Os ministros do Comércio do G7, numa declaração após uma reunião no fim de semana em Osaka

por Reuters
3 min leitura

As potências Grupo dos Sete (G7) apelaram neste domingo à “revogação imediata” das restrições à importação de produtos alimentares japoneses, uma referência às restrições da China depois de o Japão ter começado a libertar águas residuais da central nuclear de Fukushima.

Os ministros do Comércio do G7, numa declaração após uma reunião no fim de semana em Osaka, não mencionaram a China, mas também denunciaram o que consideram a sua crescente coerção econômica através do comércio.

“Deploramos as ações para armar as dependências econômicas e comprometemo-nos a construir relações econômicas e comerciais livres, justas e mutuamente benéficas”, afirma a declaração de dez páginas.

A China suspendeu totalmente as importações de peixe japonês há dois meses, quando o Japão iniciou a liberação de água radioativa tratada da fábrica de Fukushima para o Pacífico.

Embora o Japão e os EUA tenham considerado as restrições injustas, a Rússia anunciou uma restrição semelhante no início deste mês.

O Ministério das Relações Exteriores da China não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre a declaração do G7 fora do horário comercial.

O G7 – Estados Unidos, Japão, Alemanha, no Reino Unido, França, Itália e Canadá – expressou “preocupação” com as recentes medidas de controle sobre a exportação de minerais cruciais.

A China, o maior produtor mundial de grafite, anunciou este mês restrições à exportação do material, utilizado em baterias de veículos elétricos, numa outra tentativa de controlar o fornecimento desses minerais em resposta aos desafios sobre o seu domínio industrial global.

O Japão afirma que a liberação da água é segura, observando que a Agência Internacional de Energia Atômica (Imagem: Reprodução/Freepik/@TravelScape)
(Imagem: Reprodução/Freepik/@TravelScape)

Os ministros do G7 “partilharam a necessidade, genuinamente forte, de reduzir a dependência de um determinado país” para o fornecimento de recursos cruciais, disse Yasutoshi Nishimura, ministro do Comércio do Japão. “Concordamos totalmente em construir cadeias de abastecimento resilientes e confiáveis” para minerais, semicondutores e baterias essenciais, disse ele em coletiva de imprensa.

Os ministros reafirmaram as suas preocupações sobre “uma ampla e evolutiva gama de políticas não mercantis” que incluem “subsídios industriais generalizados, opacos e que distorcem o comércio” e transferência forçada de tecnologia, disse o comunicado.

Relativamente à Rússia, os representantes ​​do G7 condenaram a destruição da infraestrutura de exportação de cereais ucraniana na invasão do país, e a decisão de Moscou de abandonar “unilateralmente” as conversações sobre um acordo que tinha permitido à Ucrânia exportar trigo e outros produtos através do Mar Negro.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.