O mês de dezembro é, sem sombra de dúvidas, muito especial! É um mês de comemoração, reflexão e planejamento. Dezembro é o mês de trocar presentes com amigos e parentes. Mas será que é só isso? Será que essa é a melhor descrição para dezembro?

Com o espírito natalino, as pessoas ficam mais amáveis, alegres e generosas. E reside aí, nessa última característica, o ponto central deste artigo. A generosidade é uma das principais qualidades que um ser humano pode ter. Sem ela, a vida em coletividade seria um caos. Cada um por si e os outros que se lasquem, já pensou?

Felizmente, apesar de todos os nossos defeitos – e olha que não são poucos – somos um povo generoso. O brasileiro gosta de ajudar. Ajudar a todos, indistintamente. Não importa se é brasileiro ou não, não importa se é do mesmo estado ou cidade, não importa a causa. Para nós, parece que nada importa, a não ser ajudar.

Quando ajudamos alguém, essa ação cria uma cadeia de outras boas ações que vão se proliferando. Ana ajuda Sérgio que ajuda Paula, que ajuda Bruno e, quando percebemos, muita gente já se ajudou, afinal, a generosidade é contagiante. É impossível receber uma boa ação sem retribui-la, ou seja, sem ajudar outra pessoa, de alguma forma.

Se a generosidade faz bem para quem recebe a ajuda, ela possui um efeito ainda mais benéfico em quem ajudou. Não importa o que você fez ou para quem você fez. Não importa quanto tempo, dinheiro ou esforço esse ato te custou, ajudar faz um bem danado.

Leitura recomendada: 5 Crenças limitantes que atrapalham seu desejo de ficar rico

Ao ser generoso com as pessoas ao seu redor, você leva adiante um espírito de generosidade. Generosidade essa que, de alguma maneira, irá voltar para você. Quer ser ajudado? Ajude! Quer crescer? Ajude os outros a crescer! Quer ter mais dinheiro? Compartilhe um pouco do que você tem com quem precisa!

Ser generoso é uma atitude muito poderosa! Ela te deixa leve, proporcionando a sensação de dever cumprido. Ser generoso nos mostra o quanto é bom ter para poder dar. Não importa se estamos falando de tempo, conhecimento ou capital, ao doar, você percebe que aquilo te faz bem, te dá uma paz interior. Você gosta tanto que quer repetir a dose.

Ao sermos generosos, mandamos uma mensagem de abundância para o mundo: “Eu ajudo porque posso”. Sabe o que o mundo faz? Te dá cada vez mais meios para poder levar adiante a sua generosidade.

Seja generoso, você não faz ideia do bem que isso pode fazer aos outros, em especial a você. Tornar-se uma pessoa melhor é o primeiro passo para seu crescimento em todas as áreas da vida: pessoal, profissional e financeira.

Não importa quem você seja, onde esteja, quais os seus objetivos, em que você trabalha ou quanto dinheiro tem na sua conta bancária: seja generoso!

E lembre-se: você não precisa esperar mais um fim de ano chegar para reviver seu espírito de generosidade. Devemos cultivar esse espírito conosco diariamente, independente da época do ano. Somente assim, ajudaremos as outras pessoas a fazer o mesmo. Generosidade: passe adiante!

Leitura recomendada3 Atitudes de Pessoas Realizadas e de Sucesso que você deve praticar

Foto “Giving world”, Shutterstock.

Samuel Magalhães
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários