Existe uma idade recomendada para os filhos deixarem a casa dos pais? Esse é um tema que tira o sono de muitas famílias, seja por insegurança, medo, pouca informação e, principalmente, pelo pouco diálogo em casa.

A independência do jovem acontece aos poucos e é construída desde que ele aprende a falar, andar e se alimentar. Antes da primeira oportunidade de morar sozinho, que geralmente acontece quando ele ingressa na faculdade, os movimentos de independência devem ser estimulados e comemorados.

É fato que muitos filhos estão demorando demais para buscarem sua independência e acabam morando com os pais até aos 24/30 anos, segundo o IBGE. São chamados de geração canguru. É comum encontrarmos muitos adolescentes de 40 anos, como diz o Conrado Navarro.

Os custos para morar sozinho são altos e isso talvez seja um motivo forte para continuar vivendo na casa dos pais. Paralelamente a isso, acontece uma acomodação por parte dos filhos e uma “encantadora proteção excessiva” de papais e mamães, que acabam retardando o processo de maturidade integral desses jovens.

Quando começar a preparar o filho para a independência?

Como falei no início, desde pequena a criança começa a ser preparada para a independência. Todo o aprendizado que teve durante sua vida será colocado em prática quando ela precisar cuidar sozinha da sua vida.

Dentro de toda a formação dada pela família, é extremamente relevante a formação financeira dos filhos. Junto aos pais, as crianças começam a ter as primeiras noções econômicas. Elas observam, absorvem e imitam o modelo financeiro familiar.

Falar sobre dinheiro e seus desdobramentos desde cedo é importante para que os filhos adquiram habilidades para cuidarem com inteligência do seu no futuro. Sobre isso, sugiro a leitura de um artigo: Como anda o comportamento econômico dos seus filhos?

O viver por conta própria envolve o cuidado integral com sua rotina, saúde e a gestão do seu financeiro. A idade ideal para morar sozinho depende da maturidade de pais e filhos frente a essa nova etapa da vida. O conselho é que esse processo não demore muito para acontecer.

Aceitar o processo natural da vida

O fundamental é os pais saberem que o “sair de casa” é um processo natural, assim terão condições de passar segurança para seus filhos e vivenciarem essa nova etapa com mais tranquilidade. A desafiadora missão de educar acompanhará filhos e pais por toda vida, a diferença é a abordagem de acordo com cada idade.

Muitos pais infelizmente não sabem lidar com o crescimento e a independência dos filhos. Esquecem que eles cresceram e continuam tomando decisões que não cabem mais a eles.

Os pais precisam de maturidade emocional para compreender esse processo natural e perceberem que os filhos estão prontos para caminharem por conta própria. A partir disso, a relação muda de nível! Explico: pais e filhos se tornarão parceiros de vida.

Esse é um ponto que merece muita atenção, pois presencio muitas famílias vivenciarem essa etapa dos filhos como algo sofrido e carregado de visões distorcidas.

Mudança pessoal requer maturidade e comprometimento sempre. Pais e filhos precisam conversar sobre o futuro. Aceitar que a independência é positiva e faz parte da vida já é um ótimo começo. Abraço e até a próxima.

Foto “Young man”, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários