Poucos dias atrás, ao tomar um café com uma amigo, de vida até certo ponto estruturada, renda alta e com certo planejamento financeiro, decidi questioná-lo sobre sua maneira de lidar com investimentos. A resposta foi rápida e com ar de muita confiança: “Não me envolvo com os investimentos. Minha gerente do banco resolve tudo para mim”. Que? Como assim?

Na hora, preferi não dar sequência na conversa, mas imediatamente surgiu em minha mente a seguinte questão: Será o gerente do banco capaz de resolver todos os problemas de quem abre mão de acompanhar de perto a gestão de sua vida financeira?

Leia também: Concentração bancária: como sobreviver no Brasil dos enormes bancos?

Gerente, vendedor ou consultor?

Muitos que, como meu amigo, delegam plenos poderes ao gerente de sua conta confundem a verdadeira função desse profissional. O gerente do banco não é um consultor financeiro pessoal, mas sim um profissional com grande conhecimento de “como”, mas sem muito interesse pelo “por que”.

Em outras palavras, eles vendem bem o produto do banco, mas nem sempre se preocupam sobre sua adequação à sua situação financeira. Ao não perceber essa diferença, corre-se o risco de assinar e participar de péssimos negócios.

Quase todas as recomendações do gerente atendem aos interesses do banco. Afinal, ele é um vendedor e, como tal, trabalha e é recompensado a partir de metas a serem alcançadas.

Quer um exemplo básico do quanto os interesses do banco estão sempre em primeiro lugar? Que tal os constantes apelos feitos para que compremos os tão conhecidos títulos de capitalização? Como já vimos, aqui mesmo no Dinheirama, títulos de capitalização são uma furada.

Aproveite para ler: 11 super dicas para renegociar as dívidas com os bancos

Teste bem o seu gerente

Acredito, claro, que existam profissionais que fujam à regra, que aconselhem e apresentem boas sugestões aos seus clientes. No entanto, tais exemplos são cada vez mais raros. Repare na situação abaixo, que passa despercebida aos olhos de muitas pessoas:

Os juros aplicados sobre a utilização do cheque especial são muito altos. O consultor financeiro, compromissado com seu cliente, certamente recomenda outros meios de obtenção de crédito, com juros menores. O gerente do banco, quase sempre, se cala.

Os gerentes bancários são bons no relacionamento, mas pecam por mantê-lo superficial demais.

Já conversei, por diversas vezes, com gerentes que não sabiam explicar os tipos de fundos e produtos de acordo com perfis diferenciados de clientes. Conhecem o produto, mas ignoram o universo trazido à tona pelos clientes.

Ao confundir o trabalho do gerente com o do consultor, você corre o risco de investir seu capital em um fundo conservador demais (e com alta taxa de administração), já que a maioria dos profissionais do banco preferem usar a caderneta de poupança como benchmark. Vencer a poupança não é nenhum mérito, portanto preste bastante atenção quando for negociar seu futuro financeiro.

Leia também: Dívidas, crédito consignado e os caminhos para se livrar do problema

Tarifas, um negócio à parte

Os grandes bancos brasileiros faturam horrores com as mais variadas tarifas e serviços. Muitas vezes, eles escondem tarifas em seus serviços, que somente serão notados bem mais tarde, quando já é tarde demais. Com o objetivo de coibir essa é dever das pessoas buscarem opções mais interessantes, os bancos pequenos e médios costumam oferecer boas oportunidades.

Um gordo saldo em sua conta e uma boa dose de proatividade podem facilitar sua relação com as tarifas. Se você não se mostrar presente no dia-a-dia de suas finanças, não adianta esperar nenhum tipo de ação do banco para facilitar sua vida.

Aliás, só há um verdadeiro vilão das finanças: o descaso e a falta do comprometimento pessoal, da vontade de investigar e discutir amplamente as possibilidades que uma economia estabilizada (mais ajustada) propicia. A culpa é sua. Minha. Nossa. Valeu o debate?

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários