Home Empresas Goldman Sachs busca expandir crédito de private equity

Goldman Sachs busca expandir crédito de private equity

No ano passado, o Goldman comprou uma carteira de linhas de crédito avaliada em 15 bilhões de dólares do falido Signature Bank

por Reuters
0 comentário

O banco de investimentos norte-americano Goldman Sachs (GSGSGI34) está ampliando sua presença no mercado de empréstimos para private equity e gestores de ativos, planejando uma expansão no exterior para ajudar a preencher a lacuna deixada pela turbulência em bancos regionais e pela venda do Credit Suisse.

O banco de Wall Street e os rivais JPMorgan Chase e PNC Financial Services estão entrando nesse mercado estimado em 800 bilhões de dólares a 1 trilhão de dólares, uma vez que se espera que a atividade de negócios de private equity aumente devido à captação recorde de fundos. Esses empréstimos são baseados em ativos e tem curto prazo, o que reduz seu risco.

No ano passado, o Goldman comprou uma carteira de linhas de crédito avaliada em 15 bilhões de dólares do falido Signature Bank durante um leilão da FDIC, a agência garantidora de depósitos dos Estados Unidos.

“O foco é emprestar para grandes gestores de ativos alternativos, patrocinadores de private equity”, disse Maheshwar Saireddy, chefe global de produtos hipotecários e estruturados do Goldman Sachs, à Reuters.

“Uma das grandes iniciativas em que estamos trabalhando é a criação de uma receita mais estável em nossos negócios bancários e de mercados globais”, afirmou.

Depois de reforçar os negócios nos EUA, o Goldman planeja expandir-se na Europa, no Reino Unido e na Ásia, e acrescentou funcionários em Dallas e Bangalore para atender a esses empréstimos, disse Saireddy. Ele não revelou o cronograma da expansão.

O portfólio do Signature incluía empréstimos a empresas de private equity e fundos de capital de risco, uma parte importante de sua base de clientes, para administrar seu capital de giro.

Saireddy disse que os empréstimos garantidos por ativos ajudam a empresa a construir um negócio de financiamento crescente em renda fixa, moeda e commodities e ações.

“Aumentamos muito nossa base de depósitos nos últimos cinco a sete anos”, disse Saireddy. “E como nossos depósitos estão crescendo, estamos tentando alinhar os ativos para corresponder a esses depósitos.”

Os empréstimos para empresas de private equity diminuem nos anos em que as empresas reduzem a atividade, como em 2022 e 2023, quando o aperto monetário do Fed levou a uma queda nos negócios.

O Citigroup reduziu os empréstimos nesse mercado, disse o banco em uma teleconferência de resultados em julho passado, citando um esforço para melhorar os retornos. O banco não quis comentar.

No entanto, o mercado ficou mal atendido após o colapso de credores como o Silicon Valley Bank e o Signature e a venda do Credit Suisse para o UBS no ano passado, o que permitiu a entrada de novos participantes, segundo analistas.

“Dada a dinâmica de oferta e demanda, em que a demanda cresceu significativamente e a oferta não se manteve nos últimos dois anos, estamos vendo alguns bancos adicionais entrando nesse espaço”, disse Greg Fayvilevich, chefe global de fundos da Fitch, à Reuters.

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.