Home Finanças Pessoais Golpe do MEI: como identificar e se proteger

Golpe do MEI: como identificar e se proteger

No contexto dos MEIs, os golpistas se passam por instituições financeiras, órgãos governamentais ou entidades de apoio ao microempreendedor

por Blog do Serasa
0 comentário

O golpe do MEI é um dos diversos golpes que aparecem no cenário financeiro. Ele se tornou mais frequente conforme aumentou o número de pessoas registradas como MEI (Microempreendedores Individuais).

No cenário atual, marcado pela digitalização e pelo crescimento do empreendedorismo no Brasil, a figura do MEI ganhou destaque, representando uma parcela significativa dos novos negócios.

Esse cenário, contudo, também evidenciou vulnerabilidades, dando origem a diversas modalidades de fraudes direcionadas a esses profissionais.

Golpe do MEI: como é

O ambiente empresarial tem visto um crescimento significativo no número de microempreendedores individuais nos últimos anos.

No entanto, essa expansão também atraiu a atenção de criminosos em busca de golpes destinados a essa categoria de empreendedores.

Um dos primeiros passos para se proteger contra fraudes é reconhecê-las. Os golpes mais comuns incluem:

Falsificação de documentos e identidade

A falsificação de documentos e identidade é uma tática comum em golpes do MEI. Esses fraudadores habilmente coletam dados pessoais e empresariais de MEIs, por meio de vazamentos, engenharia social ou outros meios ilícitos.

Com essas informações, eles são capazes de criar documentos falsificados, como carteiras de identidade, registros empresariais e comprovantes de endereço, que são posteriormente utilizados para abrir contas bancárias, solicitar empréstimos ou adquirir crédito em nome das vítimas.

(Imagem: Tomaz Silva/Agência Brasil)
(Imagem: Tomaz Silva/Agência Brasil)

Essa forma de fraude não apenas acarreta prejuízos financeiros significativos para o MEI, mas também danos à reputação e complicações legais.

Phishing

O phishing é uma técnica de fraude que se vale de comunicações enganosas para extrair informações sensíveis de indivíduos desavisados.

No contexto dos MEIs, os golpistas se passam por instituições financeiras, órgãos governamentais ou entidades de apoio ao microempreendedor, enviando e-mails, mensagens de texto ou realizando ligações.

Essas comunicações fraudulentas frequentemente alegam a necessidade de regularização da situação fiscal do MEI ou oferecem benefícios atraentes, como subsídios governamentais, exigindo para tal o fornecimento de dados pessoais ou o pagamento de taxas.

A credibilidade superficial dessas solicitações muitas vezes convence os MEIs a seguir as instruções, resultando na perda de informações confidenciais ou em prejuízos financeiros diretos.

Boletos falsos

A emissão de boletos falsos é outra estratégia empregada por fraudadores visando os MEIs. Esses boletos são apresentados como cobranças legítimas por taxas de serviços governamentais, renovação de registros ou até mesmo taxas de associações empresariais.

No entanto, as taxas cobradas são inexistentes, inflacionadas ou referem-se a serviços que deveriam ser gratuitos ou de menor custo.

(Imagem: Reprodução/Freepik/boleto)
(Imagem: Reprodução/Freepik/boleto)

Os MEIs, buscando manter sua conformidade legal e operacional, acabam pagando essas cobranças sem suspeitar que os valores estão indo diretamente para os criminosos.

A detecção desses boletos falsos exige uma verificação cuidadosa e a consulta aos canais oficiais antes de realizar qualquer pagamento.

Ofertas de serviços fraudulentos

Criminosos também podem se aproveitar da busca dos MEIs por crescimento e estabilidade ao oferecer serviços fraudulentos.

Essas ofertas podem incluir assessoria para obtenção de benefícios fiscais, acesso a empréstimos com condições especiais ou serviços de assistência técnica e consultoria para o negócio. Atraídos pela promessa de vantagens competitivas e apoio empresarial, muitos MEIs acabam contratando e pagando por esses serviços que na realidade são inexistentes.

A perda financeira decorrente dessas fraudes é agravada pelo tempo e pelos recursos despendidos em perseguição a essas falsas oportunidades, impactando negativamente a operação e o desenvolvimento do negócio.

Para combater efetivamente essas ameaças, é crucial que os MEIs se armem com informação, mantenham-se vigilantes e verifiquem sempre a autenticidade de qualquer comunicação ou oferta recebida.

(Imagem: Reprodução/Freepik/@jcomp
(Imagem: Reprodução/Freepik/@jcomp)

Além disso, é importante que reportem atividades suspeitas às autoridades competentes, contribuindo para a proteção do ecossistema empresarial contra fraudadores.

Prevenção de fraudes contra MEI

Em um cenário de golpes financeiros sofisticados, a prevenção é a estratégia mais eficaz para os MEIs se protegerem. As medidas a seguir são fundamentais na construção de uma defesa eficaz contra fraudes.

Educação financeira e empresarial

O conhecimento é a primeira linha de defesa. Compreender bem as obrigações legais e os direitos conferidos pela condição de MEI capacita os empreendedores a identificar tentativas de fraude que exploram o desconhecimento ou as incertezas legais.

Educar-se sobre aspectos financeiros e empresariais, por meio de cursos, workshops e material educativo fornecido por entidades confiáveis, pode fornecer as ferramentas necessárias para empreender com segurança e confiança.

Verificação de fontes

A autenticidade de qualquer comunicação é crucial. Golpistas frequentemente se passam por instituições reconhecidas para extrair informações ou dinheiro.

Antes de responder a qualquer solicitação de pagamento ou dados pessoais, é essencial verificar a fonte. Isso pode ser feito consultando os canais oficiais da entidade supostamente emissora ou até mesmo entrando em contato direto por meios verificados.

Essa etapa simples pode evitar prejuízos significativos e proteger a identidade e os recursos do MEI.

Proteção de dados

A segurança da informação é um pilar central da proteção contra fraudes. Adotar práticas seguras de gerenciamento de dados, como o uso de senhas fortes, autenticação de dois fatores e softwares antivírus, pode reduzir significativamente o risco de vazamentos e acessos não autorizados.

(Imagem: Freepik/ @
kjpargeter)
(Imagem: Freepik/ @ kjpargeter)

Manter os sistemas operacionais e os softwares empresariais sempre atualizados também é crucial para evitar brechas de segurança que possam ser exploradas por criminosos.

Consultoria legal

Diante de dúvidas sobre aspectos legais, regulatórios ou fiscais, buscar orientação profissional é uma decisão sábia. Consultores e advogados especializados podem oferecer conselhos precisos e atualizados, orientando os MEIs nas melhores práticas e na conformidade legal.

Essa medida não apenas protege contra golpes, mas também fortalece o negócio em termos de estruturação legal e regras de compliance.

A prevenção contra fraudes é um processo contínuo e dinâmico, que demanda vigilância e adaptação constante às novas ameaças.

Incorporar essas medidas no dia a dia do MEI não apenas constrói um ambiente empresarial mais seguro, mas também promove uma cultura de precaução e responsabilidade que pode inspirar outros empreendedores. Parte superior do formulário.

O que fazer em caso de fraude

No caso de suspeita ou confirmação de fraude, é importante agir rapidamente:

Notificação: informe bancos, autoridades e órgãos de defesa do consumidor sobre a fraude, fornecendo todos os detalhes para que medidas possam ser tomadas.

Bloqueio de documentos: solicite o bloqueio de documentos e contas bancárias comprometidas para evitar maiores prejuízos.

Registro de boletim de ocorrência: o registro do BO é fundamental para a investigação policial e processos legais subsequentes.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.