Google compra o aplicativo de GPS WazeNa última terça-feira (11), o Google anunciou oficialmente por meio de seu blog a aquisição do Waze, um aplicativo de GPS para smartphones. Os valores da negociação não foram divulgados, mas especulações apontam uma quantia próxima de US$ 1,3 bilhão (R$ 2,6 bilhões).

Ainda em seu comunicado oficial, o Google ressaltou que a compra da empresa acabou acontecendo com foco em seu próprio serviço de mapas. Entende-se, então, que o Google Maps terá, futuramente, algumas incorporações das principais características do aplicativo.

No entanto, a equipe responsável pelo desenvolvimento do app continuará com suas operações normalmente, tendo o Google como um forte apoio para crescimento e fonte de recursos para inovação.

“O time do Waze segue em Israel e operando separadamente por enquanto. Estamos animados para melhorar o Google Maps com algumas das características de trânsito oferecidas pelo Waze e em melhorar o Waze com a capacidade de busca do Google”, explicou a publicação oficial do blog do Google.

Por que o Google comprou o Waze?

O grande diferencial do aplicativo de GPS do Waze é que ele usa sinais de satélite para gerar mapas com informações de condições de tráfego. Os dados podem ser compartilhados com amigos e pessoas geograficamente próximas, oferecendo informações em tempo real.

Assim, o usuário pode receber notificações da comunidade sobre acidentes, blitz, perigos, radares, vias bloqueadas, acidentes e mais. Mais do que isso, o app ainda oferece recursos integrados com o Foursquare (check-in) e com o Facebook, que possibilita navegação com um toque para eventos e visualização de amigos dirigindo para o mesmo local.

Certamente podemos esperar essas vantagens para estreitar o relacionamento do Google+ com o Google Maps.

Além dessas características diferenciadas, o Google também se interessou pela comunidade ativa que utiliza a tecnologia – descrita no comunicado como “DNA do app”.

Disputa entre gigantes da tecnologia

A geolocalização deixou de ser promessa e passou a ser uma grande tendência entre aplicativos de smartphones. É claro que os gigantes da tecnologia – Apple, Facebook e Google – perceberam a importância de investimentos na área e a aquisição de uma grande inovação como o Waze passou a ser uma questão de competição.

O Google mais uma vez se consagrou campeão dessa disputa. No final de maio, o Facebook já havia anunciado a desistência da compra da empresa israelense, adiando ainda mais possíveis inovações em um sistema de mapas que fosse capaz de competir com os outros gigantes.

A Apple também descartou a compra da ferramenta, apesar de que seu serviço de mapas seja um dos principais alvos de críticas dos usuários do iOS.

Obviamente, o próprio Waze também tem papel fundamental nessa nova parceria. Noam Bardin, CEO da empresa, afirma que a marca, a comunidade e os serviços continuarão sendo os mesmos.

“O Google está empenhado em nos ajudar a alcançar nosso objetivo comum e fornecer-nos, com independência, os recursos que precisamos para ter sucesso. Nós avaliamos muitas opções e acredito que o Google é o melhor parceiro para o Waze”, reforçou Bardin.

Fontes: InfoMoney | TechTudo | INFO. Foto: reprodução.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários