Home Economia e Política Governo anunciará medidas para proteção cambial, com US$ 2 bi para derivativos em investimento verde

Governo anunciará medidas para proteção cambial, com US$ 2 bi para derivativos em investimento verde

O plano inclui o estabelecimento de um canal para a oferta de cerca de 2 bilhões de dólares em derivativos cambiais

por Reuters
0 comentário
(Imagem: Reprodução/Freepik/@pvproductions)

O governo brasileiro anunciará na segunda-feira um plano de soluções para proteção cambial em investimentos de desenvolvimento sustentável, com foco em evitar a exposição do Tesouro à variação da moeda e controlar seus riscos fiscais, de acordo com duas fontes familiarizadas com o assunto.

O plano inclui o estabelecimento de um canal para a oferta de cerca de 2 bilhões de dólares em derivativos cambiais, que serão contratados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e distribuídos no mercado brasileiro pelo Banco Central, disseram as fontes, que pediram anonimato.

A iniciativa, que visa aproveitar o rating de crédito triplo A do BID para aumentar o acesso a derivativos com cobertura ampliada e custos mais baixos para investimentos em transformação ecológica, será objeto de uma medida provisória. Além disso, o BC deverá assinar um contrato global de derivativos com o BID para operacionalizar a investida, afirmaram as fontes.

O Ministério da Fazenda, o BC e o BID não responderam a pedidos de comentários.

Uma das fontes pontuou que, dentro da mesma medida provisória, o governo também autorizará o BC a rolar sua carteira de swaps de 100 bilhões de dólares em prazos mais longos, buscando aumentar a liquidez desse mercado e reduzir a volatilidade cambial.

Atualmente, o banco central oferta contratos nos quais troca a variação do dólar, acrescida de uma taxa, pela da taxa básica de juros de um determinado período. Essa operação, que provê proteção cambial aos interessados, faz com que, na prática, o BC compute perdas quando o dólar se valoriza, e ganhe no fortalecimento do real.

A autorização para o BC rolar os swaps em prazos mais longos é considerada “estrutural” e “muito importante”, afirmou a fonte, pontuando que hoje há pouquissíma liquidez nesse mercado para prazos acima de cinco anos.

Com as mudanças, o Brasil poderá ver um mercado muito mais ativo de swaps em horizontes de até 15 anos, alongamento de prazo que faz uma diferença “brutal” para o financiamento de projetos de infraestrutura, acrescentou.

O pacote cambial a ser anunciado na segunda-feira também trará outras medidas para proteção cambial, incluindo a oferta de uma linha de liquidez para casos de “project finance” estruturado no âmbito de investimentos verdes e sustentáveis, em que o BID também aportará recursos.

Num “project finance”, um grupo de investidores cria uma Sociedade de Propósito Específico (SPE) para projetos de infraestrutura. A intenção da medida é prover amparo para projetos que precisam manter índice de cobertura do serviço da dívida em moeda forte. Assim, uma usina solar, por exemplo, que tem receitas em real, mas é financiada em dólar, consegue manter seus compromissos de pé mesmo em caso de variação abrupta da moeda.

“Com isso você salva o projeto e permite que esse capital mais paciente tome um risco maior”, afirmou a segunda fonte.

Coletivamente, as medidas podem ter um impacto significativo na atração de investimentos estrangeiros, de acordo com as fontes, enfatizando que a engenharia empregada na construção do pacote buscou mitigar riscos fiscais incertos para o Tesouro sem expô-lo a riscos cambiais.

Historicamente, fazer hedge cambial a longo prazo tem sido desafiador no Brasil, afastando investidores estrangeiros da maior economia da América Latina.

O tema é considerado crítico no contexto global atual, com o fomento ao financiamento climático sendo ponto focal de discussões e uma das prioridades do Brasil durante sua presidência do G20, grupo das maiores economias globais, neste ano.

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que levantou 2 bilhões de dólares no mercado internacional em novembro por meio de seus primeiros títulos soberanos sustentáveis — uma iniciativa cuja estruturação também recebeu apoio do BID —, busca se posicionar cada vez mais como um importante protagonista na agenda verde.

O objetivo é aproveitar as vantagens naturais do Brasil para atrair investimentos estrangeiros em áreas como energia renovável e infraestrutura sustentável.

Os esforços no desenvolvimento de mecanismos de proteção cambial, uma prioridade revelada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, em uma entrevista à Reuters em outubro, estão no coração da estratégia para impulsionar verdadeiramente esses investimentos. Em 2023, os Investimentos Diretos no País (IDP) caíram 17%, a 62 bilhões de dólares.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.