Por Márcio Fenelon, especialista em Imóveis do canal Criando Riqueza.

Estamos diante de uma Grande Virada nos preços do mercado imobiliário no Brasil, após dois anos de grave depressão.

E o estopim desse movimento é um processo de ruptura político-econômica, um acontecimento histórico e decisivo para o País. Sim, falo do impeachment. E de uma consequente melhora da liquidez de todo o sistema financeiro, em uma combinação direta com os preços dos ativos.

Que o fim do mandato de Dilma agrada aos mercados em geral já não é mais segredo para ninguém. Afinal, a cada derrota de seu governo, a Bolsa dispara, o dólar cai… Mas o que talvez você ainda não saiba é o quanto a chegada ao poder de um novo presidente influenciará especificamente o valor dos imóveis.

Isso, por consequência, impactará o seu patrimônio e o de sua família, com um aumento de preços no curto e no médio prazos. Mas atenção: não há motivo para pânico. Muito pelo contrário. Se você estiver suficientemente preparado, não perderá nenhum centavo com esse movimento, e ainda tirará grande proveito dele.

De que forma, afinal, ocorrerá esse aumento nos preços? Para começar, temos que levar em conta os juros praticados no País. Atualmente, a taxa básica de juros, a Selic, está no maior patamar em quase dez anos (14,25% ao ano). Ela serve como referência para a economia e os financiamentos imobiliários.

O mercado como um todo já projeta um ciclo de cortes na Selic. Levo em conta os resultados da pesquisa Focus, feita pelo Banco Central com economistas e instituições financeiras. Pois bem: segundo o Focus, devemos ter reduções ainda maiores até o fim de 2017, levando a Selic a 11,75% ao ano.

Só essa queda no próximo ano já seria suficiente para que os imóveis tivessem um valor 16% superior ao de hoje. Mas acontece que o boletim que reúne a expectativa do mercado nem sempre retrata fiel e imediatamente o que está acontecendo.

Ele representa a mediana das opiniões dos agentes – há quem projete mais – e é publicado apenas semanalmente. Por isso, recorro ao analista-chefe da Empiricus, Felipe Miranda, a fim de chegar a uma avaliação mais apurada desse cenário. Nos últimos anos, ele entendeu – e soube antecipar – como poucos, os acontecimentos no Brasil.

Ele estima que a tendência é de uma queda mais intensa dos juros do que aquela prevista pelo mercado. Assim, um patamar de 10% na Selic (ou de apenas um dígito) não seria nada extraordinário. Muito pelo contrário, estaria entre os acontecimentos prováveis nesse cenário. Outros analistas e parte da imprensa já começaram a perceber isso.

Dessa forma, o aumento da capacidade de pagamento do consumidor chegaria a expressivos +24%As incorporadoras também estão muito atentas a tudo isso. E já deram sinais nos últimos anos de que vão acompanhar de perto esse crescimento do poder de compra do consumidor.

Ou seja, se a capacidade de pagamento do consumidor aumenta +24%, as incorporadoras tendem a aumentar esse mesmo percentual no preço de seus imóveis.

Vale a pena ressaltar que esse seria um aumento médio para o período – o seu imóvel dos sonhos poderia ficar, inclusive, mais caro que isso. Na prática, quem consegue pagar as prestações de um imóvel de R$ 240 mil hoje, com Selic a 10%, teria condições de adquirir um imóvel de R$ 298 mil. Veja:

A grande virada do mercado imobiliário no Brasil

Logo, a incorporadora seguiria o mesmo movimento. Seu imóvel de R$ 240 mil teria o valor reajustado para R$ 298 mil, acompanhando o aumento na capacidade de pagamento do consumidor.

Essa busca das incorporadoras por equiparar os valores ao poder de compra já aconteceu no último ciclo de expansão dos imóveis. E premiou aqueles consumidores que souberam se posicionar a tempo para adquiri-los como investimento ou mesmo para moradia.

Os que entraram no mercado imobiliário em 2005, 2006 e 2007, por exemplo, ganharam muito dinheiro. Eles souberam identificar e se posicionar antes de um dos maiores booms na história.

Há algumas outras coisas importantes para ponderarmos sobre este assunto, como a velocidade da queda dos juros, a confiança do consumidor e a expectativa de preços, além do mais importante, que é o conhecimento necessário para aproveitar esta virada do mercado imobiliário e lucrar com isso.

Para continuar esta conversa (ainda tenho muitas coisas importantes para te mostrar) e te apresentar uma maneira ótima de aproveitar esta oportunidade que está se formando no mercado imobiliário, eu preparei um texto mais detalhado e bem ilustrado, explicando tudo. Por favor, clique aqui e continuaremos lá esse importante assunto…

Nota: Esta coluna é mantida pelo Criando Riqueza, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Criando Riqueza
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários