Home Empresas Gravadoras processam empresa de IA Anthropic por direitos autorais sobre letras de músicas

Gravadoras processam empresa de IA Anthropic por direitos autorais sobre letras de músicas

O processo afirma que a Anthropic viola os direitos das gravadoras por meio do uso de letras de pelo menos 500 músicas

por Reuters
0 comentário

As gravadoras Universal Music, ABKCO e Concord processaram a empresa de inteligência artificial Anthropic em um tribunal federal do Tennessee, nos Estados Unidos, nesta quarta-feira, acusando-a de usar indevidamente uma quantidade “incontável” de letras de músicas protegidas por direitos autorais para treinar seu chatbot Claude.

O processo afirma que a Anthropic viola os direitos das gravadoras por meio do uso de letras de pelo menos 500 músicas, desde “God Only Knows” dos Beach Boys e “Gimme Shelter” dos Rolling Stones até “Uptown Funk” de Mark Ronson e Bruno Mars e “Halo” de Beyonce.

O advogado das empresas de música, Matt Oppenheim, se recusou a comentar o litígio, mas afirmou que o processo é “bem fundamentado pela lei de direito autoral que proíbe entidades de reproduzir, distribuir e exibir obras protegidas por direitos autorais de terceiros para construir seu próprio negócio, a menos que obtenham permissão dos detentores de direitos”.

Muitos detentores de direitos autorais, incluindo autores e artistas visuais, têm processado empresas de tecnologia como a Meta e a OpenAI devido ao uso de seus trabalhos para o treinamento de seus sistemas de IA generativa.

A ação das gravadoras parece ser o primeiro caso relacionado a letras de músicas e o primeiro contra a Anthropic, que recebeu apoio financeiro do Google, da Amazon e do ex-bilionário de criptomoedas Sam Bankman-Fried.

Representantes da Anthropic não responderam imediatamente a um pedido de comentários.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.