Home Empresas Grupo de direitos humanos quer impedir IPO da Shein

Grupo de direitos humanos quer impedir IPO da Shein

A empresa já havia dito que está investindo no fortalecimento da governança e do compliance em toda sua cadeia de fornecimento

por Reuters
3 min leitura

O grupo de direitos humanos Stop Uyghur Genocide (pare o genocídio uigur, em tradução livre), sediado no Reino Unido, lançou uma campanha judicial para bloquear a potencial oferta pública de ações da Shein em Londres devido a preocupações sobre suas práticas trabalhistas, disse um escritório de advocacia que representa o grupo nesta quarta-feira.

O escritório de advocacia de direitos humanos Leigh Day escreveu à Autoridade de Conduta Financeira britânica (FCA) para instar o órgão regulador a recusar qualquer tentativa da Shein de realizar seu IPO na bolsa de valores de Londres.

A Shein não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da Reuters, enquanto a FCA não quis comentar.

Na terça-feira, a Anistia Internacional do Reino Unido disse que o potencial IPO da Shein em Londres seria um “emblema da vergonha” para a bolsa londrina, considerando os padrões trabalhistas e de direitos humanos “questionáveis” da empresa de fast-fashion.

A Shein apresentou documentos confidenciais ao regulador de mercados britânico em junho, disseram duas fontes à Reuters na segunda-feira, dando início ao processo para uma potencial listagem em Londres ainda este ano.

A empresa já havia dito que está investindo no fortalecimento da governança e do compliance em toda sua cadeia de fornecimento.

A FCA não possui poderes de investigação ou aplicação relacionados a alegadas violações de legislações que não estão dentro de sua competência, como a Lei da Escravidão Moderna ou a legislação tributária.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.