Home Economia e Política Guerra entre Israel e Hamas frustra estratégia de Biden para o Oriente Médio

Guerra entre Israel e Hamas frustra estratégia de Biden para o Oriente Médio

Biden está enviando o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, para se reunir com líderes israelenses esta semana

por Reuters
0 comentário

Até o fim de semana passado, o governo do presidente norte-americano, Joe Biden, contava que o Oriente Médio permanecesse relativamente calmo enquanto prosseguia discretamente seus principais objetivos políticos na região: intermediar a distensão entre Israel e Arábia Saudita e conter as ambições nucleares do Irã.

Essas esperanças foram destruídas quando militantes palestinos do Hamas se infiltraram a partir de Gaza e invadiram cidades israelenses no sábado, matando centenas de pessoas e sequestrando dezenas de outras. As forças israelenses retaliaram, atacando o enclave costeiro, matando centenas de pessoas e impondo um bloqueio total sobre o território. 

Depois de manter o irremediável conflito entre israelenses e palestinos à distância, Biden se vê agora mergulhado em uma crise que provavelmente irá remodelar a sua política para o Oriente Médio, e forçado a fazer uma aliança difícil com o primeiro-ministro israelense de extrema-direita, Benjamin Netanyahu.

Biden está enviando o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, para se reunir com líderes israelenses esta semana.

É uma situação politicamente arriscada para um presidente que busca a reeleição em 2024, que poderá ter implicações significativas para os preços mundiais do petróleo e desviar os recursos e a atenção dos EUA daquilo que até agora tem sido o seu desafio de política externa definidor: a guerra da Rússia na Ucrânia.

O ataque surpresa do Hamas foi um golpe nas iniciativas dos EUA para mediar um acordo histórico de normalização das relações entre Israel e a Arábia Saudita, e complicou a abordagem de Washington em relação ao Irã, apoiador de longa data do Hamas.

Embora as autoridades dos EUA insistam que a sua tentativa de estabelecer laços entre os inimigos de longa data Israel e Arábia Saudita possa sobreviver à crise, muitos especialistas têm uma visão mais pessimista.

“Muito simplesmente, todos os esforços de normalização estão suspensos num futuro próximo”, disse Jon Alterman, chefe do programa para o Oriente Médio no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, contradizendo a linha oficial do governo dos EUA.

(Imagem: REUTERS/Amir Cohen)
(Imagem: REUTERS/Amir Cohen)

Reunir os dois aliados mais poderosos dos EUA na região era visto pelo governo dos EUA como uma forma de reforçar um baluarte contra o Irã e contrariar as incursões da China no Golfo Pérsico, rico em petróleo. 

Jonathan Panikoff, antigo vice-oficial de inteligência nacional do governo dos EUA para o Oriente Médio, disse que “as ruas árabes não vão apoiar a normalização depois de uma guerra prolongada em que os ataques israelenses destroem grande parte de Gaza”.

A crise também suscitou novas críticas ao esforço do governo Biden para abrir relações entre Israel e a Arábia Saudita, o que tinha sido amplamente visto como uma atitude de pouca atenção à busca dos palestinos por um Estado.

Khaled Elgindy, um antigo conselheiro de negociações palestino, acusou o governo Biden de liderar um processo de normalização israelense-saudita que contornou principalmente os palestinos e as suas esperanças de acabar com a ocupação israelense. 

“Esse tipo de negligência é parte da razão pela qual vemos o que vemos”, disse Elgindy, agora no Instituto Oriente Médio.

O Hamas estava, em parte, transmitindo a mensagem de que os palestinos não poderiam ser ignorados se Israel quiser segurança, e que qualquer acordo com os sauditas irá travar a recente reaproximação do reino com o Irã, segundo autoridades palestinas e uma fonte regional.

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.