Guia de recrutamento para StartupsVocê provavelmente já ouviu falar no termo startup em algum momento de sua vida quando leu sobre empreendedorismo ou tecnologia. Se não, startup[bb] é um termo, em inglês, que se refere a empresas que surgem e se desenvolvem de forma rápida, trabalhando com alguma inovação. Existem inúmeras no Brasil, e mais ainda nos Estados Unidos, nascendo e morrendo todos os dias.

Com base nisso, é importante pensar um pouco na equipe que dirige esse tipo de empresa, aspecto determinante para o sucesso de uma startup. Afinal, ela nada mais é, em sua origem, do que algumas pessoas com ideias e com domínio de alguma tecnologia querendo criar um espaço no mercado e se perpetuar. Google, Twitter e os brasileiros Samba Tech, boo-box e Polvora! são alguns exemplos.

Pensando nisso, será que você tem agido corretamente na procura por bons profissionais para sua startup? Seguindo o assunto do último artigo que escrevi aqui no Dinheirama“A arte de somar e multiplicar”, você não sabe tudo e nem deve procurar fazer tudo em sua empresa. Quando você delega e divide responsabilidades, a integração do grupo é maior e a sensação de que todos estão trabalhando por um mesmo objetivo fica mais clara. Sem contar o principal motivo dessa ação, que é a velocidade e a agilidade que a sua empresa ganha para entregar resultados e gerar receita.

Explicarei passo a passo como, em minha opinião, deve se dar o recrutamento de profissionais para uma startup, independentemente do segmento de atuação. Siga a ordem e reflita comigo.

Passo 1 – Do que você precisa?
A primeira atitude a se tomar é descobrir do que você realmente precisa e definir a vaga e o perfil do profissional que você deseja baseado na cultura e nos objetivos que sua empresa tem. Valores são importantes já que provavelmente vocês se verão por várias horas daqui pra frente e o sucesso da empresa dependerá do trabalho integrado e amistoso da equipe.

Passo 2 – Divulgue
Definidas as características pessoais e profissionais necessárias para a tal função, sua tarefa agora é divulgar para os quatro ventos a vaga disponível em sua empresa. Mas, ai chega um ponto em que você tem de decidir se o trabalho remoto é uma alternativa boa para vocês. A cultura da sua empresa e dos colaboradores permite que vocês trabalhem de casa, do hotel ou da praia?

Divulgue na internet, nas redes sociais e é claro entre seus amigos – geralmente, é deles que vêm as melhores indicações. Use também serviços como o do portal de vagas Mais Startup para anunciar os processos de seleção de sua empresa.

Passo 3 – Conte uma história, entreviste, pergunte e “investigue”
No momento da entrevista é fundamental que você conte uma história, verdadeira, que venda seus sonhos[bb] e seus objetivos enquanto empresário. Ganhe a atenção e o pensamento do entrevistado. Sua função nesse momento é fazê-lo se apaixonar pela sua ideia e pelo que tem em mãos (ou no papel, caso ainda esteja no começo). Paixão pela ideia é determinante nesse estágio da empresa.

Não contrate um corpo que trabalhe 8 horas por dia. Contrate uma mente que sonhe com a sua empresa e com os resultados que ela pode dar por pelo menos 18 horas do dia. Não se contente com menos. Se ele se estiver amando o que faz, ele vai querer dormir pouco e fazer muito. E, claro, obtenha referências (quando possível) e procure conhecer os trabalhos já realizados pelo profissional.

Durante a entrevista, não seja sisudo. Crie um bate-papo. É importante que a pessoa que vai trabalhar com você seja interessante. E pergunte. Pergunte sobre o que achar importante para a vaga. Mesmo assim, é impossível saber tudo e eliminar todas as dúvidas sobre os candidatos. Lembre-se de criar um roteiro base para a entrevista, com as perguntas que deseja fazer. Mas não se prenda a ele, deixe fluir.

O “investigue”, última tarefa do passo 3, se refere a procurar informações sobre os entrevistados que gerarem interesse. Você tem de fazer o dever de casa após as entrevistas. Procure no Google, Orkut, Facebook, Twitter, Flickr etc. algo que lhe proporcione saber mais do seu entrevistado. Você tem esse direito, use-o.

Passo 4 – Seja sincero
É recomendável que você faça, o que vou dizer agora durante a entrevista, mas preferi separar esse aspecto do passo 3, justamente para que você perceba a importância dele e cumpra-o em seu processo de recrutamento[bb]. Até agora você viu que você tem de vender a ideia, como um contador de histórias, e conquistar o profissional pelo coração.

Mas, é fundamental que você diga a verdade a ele: você está no começo, o caminho é difícil e talvez sua empresa não exista mais daqui alguns meses. Essa é a dura e rápida realidade das startups e é bom que você se acostume e pense dessa forma. Se ele topar “subir no barco” e trabalhar com você, é porque ou ele é louco (aos olhos dos executivos tradicionais) ou porque acreditou na ideia e é capaz de impulsioná-la com seu trabalho.

Passo 5 – Dê sinal de vida
O último passo após a escolha – ou enquanto escolhe – o profissional para a sua empresa é dar sinal de vida. Mande um e-mail agradecendo-lhe pela atenção, pela disposição etc. Isto faz parte de um valor moral conhecido como respeito. Valorize aqueles que, de certa forma, investiram tempo em se candidatar e em imaginar um dia trabalhar ao seu lado, querendo atingir o topo com você.

Enfim, acho que o artigo rendeu bem. Este é o guia que criei para ajudar quem nunca havia pensado que um dia seria preciso recrutar um profissional, ainda mais para a sua startup. Se você concorda ou discorda do que aqui foi escrito, sinta-se à vontade para deixar a sua opinião no espaço de comentários e alimentar a discussão. Ficarei aguardando o seu comentário para iniciarmos o debate. Até a próxima.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários