Home Carreira Guia de recrutamento para Startups

Guia de recrutamento para Startups

por Bruno Biscaia
0 comentário

Guia de recrutamento para StartupsVocê provavelmente já ouviu falar no termo startup em algum momento de sua vida quando leu sobre empreendedorismo ou tecnologia. Se não, startup[bb] é um termo, em inglês, que se refere a empresas que surgem e se desenvolvem de forma rápida, trabalhando com alguma inovação. Existem inúmeras no Brasil, e mais ainda nos Estados Unidos, nascendo e morrendo todos os dias.

Com base nisso, é importante pensar um pouco na equipe que dirige esse tipo de empresa, aspecto determinante para o sucesso de uma startup. Afinal, ela nada mais é, em sua origem, do que algumas pessoas com ideias e com domínio de alguma tecnologia querendo criar um espaço no mercado e se perpetuar. Google, Twitter e os brasileiros Samba Tech, boo-box e Polvora! são alguns exemplos.

Pensando nisso, será que você tem agido corretamente na procura por bons profissionais para sua startup? Seguindo o assunto do último artigo que escrevi aqui no Dinheirama“A arte de somar e multiplicar”, você não sabe tudo e nem deve procurar fazer tudo em sua empresa. Quando você delega e divide responsabilidades, a integração do grupo é maior e a sensação de que todos estão trabalhando por um mesmo objetivo fica mais clara. Sem contar o principal motivo dessa ação, que é a velocidade e a agilidade que a sua empresa ganha para entregar resultados e gerar receita.

Explicarei passo a passo como, em minha opinião, deve se dar o recrutamento de profissionais para uma startup, independentemente do segmento de atuação. Siga a ordem e reflita comigo.

Passo 1 – Do que você precisa?
A primeira atitude a se tomar é descobrir do que você realmente precisa e definir a vaga e o perfil do profissional que você deseja baseado na cultura e nos objetivos que sua empresa tem. Valores são importantes já que provavelmente vocês se verão por várias horas daqui pra frente e o sucesso da empresa dependerá do trabalho integrado e amistoso da equipe.

Passo 2 – Divulgue
Definidas as características pessoais e profissionais necessárias para a tal função, sua tarefa agora é divulgar para os quatro ventos a vaga disponível em sua empresa. Mas, ai chega um ponto em que você tem de decidir se o trabalho remoto é uma alternativa boa para vocês. A cultura da sua empresa e dos colaboradores permite que vocês trabalhem de casa, do hotel ou da praia?

Divulgue na internet, nas redes sociais e é claro entre seus amigos – geralmente, é deles que vêm as melhores indicações. Use também serviços como o do portal de vagas Mais Startup para anunciar os processos de seleção de sua empresa.

Passo 3 – Conte uma história, entreviste, pergunte e “investigue”
No momento da entrevista é fundamental que você conte uma história, verdadeira, que venda seus sonhos[bb] e seus objetivos enquanto empresário. Ganhe a atenção e o pensamento do entrevistado. Sua função nesse momento é fazê-lo se apaixonar pela sua ideia e pelo que tem em mãos (ou no papel, caso ainda esteja no começo). Paixão pela ideia é determinante nesse estágio da empresa.

Não contrate um corpo que trabalhe 8 horas por dia. Contrate uma mente que sonhe com a sua empresa e com os resultados que ela pode dar por pelo menos 18 horas do dia. Não se contente com menos. Se ele se estiver amando o que faz, ele vai querer dormir pouco e fazer muito. E, claro, obtenha referências (quando possível) e procure conhecer os trabalhos já realizados pelo profissional.

Durante a entrevista, não seja sisudo. Crie um bate-papo. É importante que a pessoa que vai trabalhar com você seja interessante. E pergunte. Pergunte sobre o que achar importante para a vaga. Mesmo assim, é impossível saber tudo e eliminar todas as dúvidas sobre os candidatos. Lembre-se de criar um roteiro base para a entrevista, com as perguntas que deseja fazer. Mas não se prenda a ele, deixe fluir.

O “investigue”, última tarefa do passo 3, se refere a procurar informações sobre os entrevistados que gerarem interesse. Você tem de fazer o dever de casa após as entrevistas. Procure no Google, Orkut, Facebook, Twitter, Flickr etc. algo que lhe proporcione saber mais do seu entrevistado. Você tem esse direito, use-o.

Passo 4 – Seja sincero
É recomendável que você faça, o que vou dizer agora durante a entrevista, mas preferi separar esse aspecto do passo 3, justamente para que você perceba a importância dele e cumpra-o em seu processo de recrutamento[bb]. Até agora você viu que você tem de vender a ideia, como um contador de histórias, e conquistar o profissional pelo coração.

Mas, é fundamental que você diga a verdade a ele: você está no começo, o caminho é difícil e talvez sua empresa não exista mais daqui alguns meses. Essa é a dura e rápida realidade das startups e é bom que você se acostume e pense dessa forma. Se ele topar “subir no barco” e trabalhar com você, é porque ou ele é louco (aos olhos dos executivos tradicionais) ou porque acreditou na ideia e é capaz de impulsioná-la com seu trabalho.

Passo 5 – Dê sinal de vida
O último passo após a escolha – ou enquanto escolhe – o profissional para a sua empresa é dar sinal de vida. Mande um e-mail agradecendo-lhe pela atenção, pela disposição etc. Isto faz parte de um valor moral conhecido como respeito. Valorize aqueles que, de certa forma, investiram tempo em se candidatar e em imaginar um dia trabalhar ao seu lado, querendo atingir o topo com você.

Enfim, acho que o artigo rendeu bem. Este é o guia que criei para ajudar quem nunca havia pensado que um dia seria preciso recrutar um profissional, ainda mais para a sua startup. Se você concorda ou discorda do que aqui foi escrito, sinta-se à vontade para deixar a sua opinião no espaço de comentários e alimentar a discussão. Ficarei aguardando o seu comentário para iniciarmos o debate. Até a próxima.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.