Se Jair Bolsonaro (PSL) for eleito no domingo (28), será aberto o caminho para que seu assessor econômico, Paulo Guedes, faça convites para que integrantes da atual equipe econômica, que já foram sondados, fiquem em seus cargos.

A formação da equipe e a formulação de um plano de governo já estão sendo estudadas pelo assessor de Bolsonaro, que deve assumir o comando de toda a área econômica caso o candidato vença a disputa, reunindo os Ministérios da Fazenda, do Planejamento, da Indústria e Comércio Exterior e a Secretaria do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), hoje vinculada à Presidência da República.

Em reuniões na Fazenda e no Planejamento, para tratar de uma eventual transição, Guedes se aproximou de Mansueto Almeida (secretário do Tesouro) e de Marcos Mendes (secretário especial do Ministério da Fazenda).

Leia também: Especialista diz que reforma tributária de Bolsonaro causaria rombo de R$ 27 bilhões

Ainda não foram feitos convites formais

Não foram feitos convites formais, mas o assessor de Bolsonaro ficou impressionado com os dois, dizem pessoas próximas, e sondou o interesse.

No Planejamento, a atenção de Guedes se voltou ao secretário de Coordenação e Governança das Estatais, Fernando Soares, e de integrantes de sua equipe. Os encontros ocorreram no mês passado.

Os secretários da Fazenda demonstraram o conhecimento desejado por Guedes sobre o funcionamento da máquina pública e sobre assuntos considerados prioritários pela equipe de Bolsonaro na área econômica: a administração do déficit público e a privatização de estatais.

O programa de Bolsonaro promete zerar o déficit público em um ano com a privatização de dezenas de estatais.

Especialista destacado em finanças públicas

Antes de chegar ao Tesouro, Mansueto já havia se firmado como destacado especialista em finanças públicas.

Chegou a ser cotado para assumir um posto no governo se Aécio Neves (PSDB) fosse eleito e Armínio Fraga comandasse a Fazenda.

Mendes, por sua vez, coordena a relação da Fazenda com o Legislativo e a chamada economia política dentro da pasta, ou seja, a escolha dos temas que a, cada momento, a equipe levará para a discussão com outros setores do governo.

Alguns integrantes da equipe já teriam sinalizado que pretendem deixar o governo. É o caso de Ana Paula Vescovi (secretária-executiva), João Manoel Pinho de Mello (Produtividade e Advocacia da Concorrência) e Marcelo Estevão (Assuntos Internacionais).

Eles foram informados pelo ministro Eduardo Guardia (Fazenda) de que convites para sua permanência poderiam ser feitos por Guedes, caso Bolsonaro seja eleito. O PSL é um partido nanico, que não tem quadros técnicos.

Preparativos para a transição de governo

Os secretários se colocaram à disposição para participar da transição, mas não se comprometeram em permanecer.

Pinho de Mello deve retornar à academia, em São Paulo, e Estevão estuda propostas em Washington, onde mora sua família. Vescovi vive na ponte aérea entre Brasília e Vitória, onde está sua família.

Dois integrantes da equipe não devem ficar. O secretário de Política Econômica, Fábio Kanczuk, assume em 1º de novembro posto de representante do Brasil no Banco Mundial, substituindo Otaviano Canuto, que deixa o cargo. Mello acumulará as funções até o fim do governo Michel Temer.

Marcelo Caetano, responsável pela proposta de reforma da Previdência, também deixa a Fazenda sob Guedes.

No caso do Banco Central, a troca do presidente Ilan Goldfajn não é considerada prioritária, entretanto, algumas falas do atual presidente do Banco Central indicaram que não pretende permanecer no posto.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários