O processo de tomada de decisões pode ser bastante traiçoeiro. Decidir com base nas emoções que envolvem uma compra costuma trazer arrependimentos e grandes aborrecimentos (endividamento, inimizades, discussões, problemas pessoais etc.). Tudo porque permitimos que a sensação de alegria e euforia esconda a verdadeira reflexão que deve ser feita ao comprar.

Eu realmente posso comprar esse produto agora? Preciso comprá-lo neste momento? Já fiz todas as contas que envolvem essa compra e tudo que ela representará daqui para frente? É comum usarmos apenas a contabilidade mental para justificar nossas decisões financeiras – fazemos rápidas contas de cabeça e chegamos à conclusão de que, sim, é possível ter tudo o que queremos naquele momento. A realidade é bem diferente…

Guru Financeiro #4: Deixe a emoção de lado e não confie na contabilidade mental
Ilustração: Denny Fischer

Educação financeira significa saber quanto custa, mas também avaliar o impacto da compra no fluxo de caixa familiar a partir do momento da aquisição. Contas simples, algum esforço e bom senso podem ajudar nessa hora. Basta pesquisar muito bem os preços, as condições de manutenção do bem e os custos que virão a partir da compra. Dá trabalho, mas afinal trata-se de valorizar o seu dinheiro. Ou não?

No caso da compra do carro, lembre-se que você terá que pagar IPVA, licenciamento, seguro obrigatório, combustível, estacionamento, lavagem, manutenção (preventiva e corretiva). Isso sem contar com a depreciação do bem, acelerada pelos lançamentos cada vez mais frequentes de novos modelos de carros. Cuidado, faça bem as contas e decida-se com segurança. Na dúvida, evite a compra.

Ajude-nos a criar novas tirinhas. Entre em contato conosco com sua sugestão, roteiro ou crítica e tentaremos atendê-lo em uma futura versão do projeto.

Sucesso e até a próxima.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários