Se todos fossem as pessoas que mostram ser nas redes sociais, principalmente no Facebook, o mundo seria um lugar sensacional, não é mesmo? Desculpe se esta mensagem parece pesada demais, mas não consegui encontrar outra forma de começar este texto. Isso se chama hipocrisia.

A sinceridade e a honestidade diante dos próprios princípios e valores não parecem mais algo tão importante; o que vale mesmo é a percepção dos outros, como lidamos com suas expectativas e o quanto somos capazes de fingir para sermos aceitos.

Talvez uma das explicações para escolhas neste sentido seja a dureza da realidade, traduzida na falta de perspectivas que a vida real impõe. Diante disso, criar e viver em uma realidade paralela, colorida, parece a saída ideal para “confortar” e “amenizar” as coisas.

Ledo engano. Toda escolha traz consigo um preço e uma consequência. O preço a pagar geralmente é subestimado, enquanto a consequência não é sequer avaliada. O mundo paralelo se transforma em uma obrigação cotidiana, e isso começa a afetar a única coisa que realmente existe: a vida real.

Ebook gratuito recomendado: Ter uma Vida Rica Só Depende de Você

Momentos mágicos que não existem

A fábula consiste em impressionar e criar vínculos emocionais através de momentos mágicos, atitudes sensatas e corretas e muito storytelling empírico. Muitas pessoas criam para si verdadeiros “discursos de venda” e usam as redes sociais para criar a persona que deveriam ser fora dos olhares dos demais.

Não pretendo generalizar, afinal isso seria irresponsável, mas é cada vez mais comum notar a “fabricação” de momentos, sensações, experiências e reações. A linguagem, cada vez mais visual e efêmera, acaba tornando as “amizades” superficiais; cada um de nós tem tantos “amigos” quanto quiser. Não parece estranho?

A liberdade de postar o que quiser, algo fantástico do ponto de vista do controle absoluto do que se pensa e compartilha, acaba sendo trocada pela “liberdade vigiada”, em que julgamos e somos julgados muito mais pelo que compartilhamos ou mostramos, e não pelo que realmente somos.

O curioso (ou óbvio) é que se trata de um ciclo vicioso: julgamos os demais pelo que postam ao mesmo tempo em que mudamos o que (e como) postamos para “agradar” e “impressionar”; através das redes sociais, julgamos e mentimos mais, enquanto cobramos menos julgamento e mais autenticidade.

Podcast recomendado: Em quem confiar na era dos gurus da internet

Hipocrisia, o combustível das redes sociais (e do fracasso financeiro)

O custo de agirmos de forma cada vez mais centrada na imagem e na falsa força das rápidas impressões é elevado e diversificado: ansiedade, angústia, incapacidade de lidar com a frustração, depressão e a ruína financeira são alguns exemplos.

Tenho certeza que você consegue “ligar os pontos” e perceber como uma vida virtual desconexa da realidade pode trazer efeitos nocivos para todos, principalmente a família e pessoas próximas, portanto meu foco será no aspecto financeiro (objetivo deste espaço).

Manter aparências e criar situações/momentos capazes de impressionar os demais quase sempre envolve dinheiro. Roupas de grife, viagens, carros, lugares bacanas a serem frequentados, o consumo é hoje uma extensão do estilo de vida a ser promovido, senão o próprio estilo de vida para uma grande parte.

Dívidas, portanto, são uma constante na vida de quem se vende como uma caricatura, o que significa pagar caro para manter um status não natural, fabricado a partir de muita competição de egos e nenhuma relação suficientemente íntima e de amor sincero – e, portanto, incapaz de abordar a verdade do que ali se passa.

Leitura recomendadaBaixar o padrão de vida é melhor que sofrer com as dívidas

Sonhar é importante, mas fingir é perigoso

Essa coisa de mostrar-se a partir do consumo não é nem um pouco nova. O “somos o que compramos” talvez tenha sido a maior “descoberta” da economia do século passado. Migrar da necessidade para a emoção, do essencial para o subjetivo, fez as pessoas alimentarem sonhos, o que é muito interessante.

Se sonhar é importante, criar falsas expectativas e alimentar utopias de consumo pode ser desastroso – e a linha entre estas duas realidades costuma ser tênue e muito fácil de cruzar. O principal aspecto da educação financeira que funciona é ser fiel aos seus objetivos, mas para isso você precisa realmente saber o que quer.

Fingir, portanto, é perigoso porque faz o tempo passar enquanto distancia você de seus verdadeiros sonhos, eliminando no processo dois recursos finitos e escassos: tempo e dinheiro.

Sempre valerá a pena respeitar quem somos (e nossas prioridades)

Todo mundo precisa mesmo se tornar a celebridade de seus seguidores? Vale a pena abrir mão do que realmente queremos e de nossa essência para agradar aos cada vez mais exigentes “amigos”? Cabe trocar prioridades por boletos intermináveis para impressionar por um fim de semana, talvez um mês?

A “febre da aprovação” e a hipocrisia são irmãs e só proliferam nos meios em que a ausência de prioridades é a escolha do dia (ainda que não deliberada, o que também representa uma decisão).

Por que cada vez mais pessoas leem e buscam refúgio em obras, vídeos e dramas que envolvem escolhas difíceis e decisões transformadoras? Porque, felizmente, sabem que o problema está em retomar a fidelidade ao “Eu”; a má notícia é que esse buraco é fundo.

Por quê não fazemos mais as coisas que nos deixam felizes e menos o que esperam de nós? Não tenho a menor ideia de como responder a essa pergunta. Arrisco-me a dizer que definir e respeitar prioridades são atitudes “fora de moda” porque elas não dão Ibope da porta de casa para fora, e muito menos nas redes sociais.

Vídeo recomendado: Dinheiro não é matemática, é hábito! Riqueza é atitude!

Conclusão

Você pode achar que um tema como esse não deveria estar em um site que fala de finanças pessoais, dinheiro e investimentos, mas é exatamente o contrário. Dinheiro é cidadania, e gente incompleta e vulnerável não consegue blindar seu bolso (e suas emoções financeiramente destrutivas).

Logo, lidar com os próprios sonhos, delimitar bem nossas capacidades e aprender a lidar com as frustrações, é essencialmente o que impede que a armadilha do “Mundo Mágico de Moranguinho” nos abrace. Essas são ações que certamente facilitarão o controle financeiro e a realização de objetivos associados ao dinheiro.

O clima pesado e denso do texto de hoje talvez o tenha deixado um pouco assustado, ou até mesmo irritado. A sua ferida é também a minha; é o machucado de todos nós, em um mundo cada vez mais superficial e com indivíduos “gritando” por aprovação em todo lugar.

Espero que a reflexão proposta possa fazer com que você pense um pouco melhor sobre como tem usado o seu tempo e dinheiro; espero, sinceramente, que você os utilize cada vez mais para realizar-se e aproximar-se das pessoas amadas.

Na boa, eu espero mesmo que sejamos capazes de respeitar nossas verdadeiras prioridades neste mundo cada vez mais cheio de pessoas querendo defini-las por nós. Não será fácil, mas certamente será recompensador. Tomara.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários