Hipocrisia, sustentabilidade e a verdadeira qualidade de vidaO jovem que diz que sua prioridade é passar a maior parte do tempo com a família e realizando atividades que trazem prazer, realização e alegria, é logo chamado de hipócrita. “Vai trabalhar”, “Você não faz nada” ou “Espere chegar filho e vai ver o que é bom” são alguns exemplos das “verdades” faladas para nós, especialmente pelas pessoas vistas como “bem-sucedidas”.

Interessante notar que essas bravatas são faladas pelas mesmas pessoas que, depois de algum tempo, reclamam exatamente das prioridades invertidas de suas vidas, da falta de tempo dedicado à família, do quanto trabalharam em algo que não gostavam e da infelicidade de não ter construído sua própria liberdade. Eles se reconhecem como ingredientes no “moedor de carne da vida” e ficam amargos, alguns com remorso e desvios de caráter (inveja, vingativos etc.).

Claro que não se pode generalizar, mas estou preocupado: o nível de hipocrisia da sociedade brasileira atinge níveis cada vez mais elevados e perigosos. Temas como sustentabilidade e qualidade de vida passaram a ser discursos baseados em conceitos, em uma imagem politicamente correta ou em normas sociais tidas como ideais (algo desejável, subjetivo, mas nada prático). Fazer, que é bom, especialmente quando ninguém está vendo, é atitude cada vez mais rara.

Apontar o dedo e julgar não muda a realidade. Aliás, muda sim, mas para pior. Ficamos mais individualistas e cada vez mais conformados, apenas desejando que as mudanças aconteçam (de preferência a partir do clique de um botão no controle remoto), e não “levantando a bunda da cadeira” e fazendo alguma coisa a respeito.

Daí que vale lembrar que o oposto da hipocrisia não é julgamento, nem justiça; o oposto de hipocrisia é cidadania. E ser cidadão não é seguir uma cartilha ou ter um discurso “alinhado”; é fazer o que precisa ser feito, é agir com os outros da forma que você gostaria que agissem com você e nunca, mas nunca, subverter seus valores e princípios a partir das expectativas dos outros.

O tema é espinhoso, mas achei por bem abordá-lo para que possamos, juntos, compartilhar nossas experiências sobre ele e aprendermos, de uma vez por todas, que cidadania é a arte de dar o exemplo, de agir por vontade própria e de tentar resolver o que parece estar errado. O resto é hipocrisia ou combustível para ela.

Ah, sim, educação financeira tem tudo a ver com o que eu acabei de escrever, basta você refletir um pouco para também ver essa associação. Agora é a sua vez de opinar. Deixe seu comentário no espaço abaixo e vamos em frente. Abraços e até a próxima.

Foto “Dynamics of people”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários