Em 2011 descobri outra profissão que me dava satisfação: a fotografia. Depois de um curso básico para aprender a mexer na câmera, saí fotografando tudo e todos até descobrir o que, de fato, faria com aquele hobby.  E, alguns meses depois de fotografar muito e de graça (para criar meu portfólio), passei a cobrar e transformei a paixão em uma segunda fonte de renda.

Ainda não me dedico como gostaria, mas a verdade é que, desde então, a fotografia tem rendido muitos momentos bons e algum dinheiro no bolso. Dinheiro este que utilizo para investir na própria profissão, com a compra de equipamentos, por exemplo. E onde quero chegar com isso tudo? Bom, vou parar de me estender e explicar.

Barganhar preço é uma atitude típica de brasileiro. Eu também faço quando vejo possibilidades. Mas quando se trata de serviço, dificilmente eu costumo ‘chorar’ para que o preço caia. Se não tenho condições de pagar, se aquele valor não cabe no meu orçamento, eu simplesmente agradeço a atenção e procuro por outro.

A questão é que recebo muitos pedidos de orçamento perguntando se “não dá pra fazer mais em conta porque será uma festa pequena, para poucas pessoas”. Sou fotógrafa infantil e meu mundo é rodeado por crianças correndo, brincando e que não param um segundo para tirar a foto – o trabalho que o fotógrafo tem, independe do tamanho da festa e do número de convidados.

Em quatro anos de fotografia, aprendi duas coisas:

  • A primeira é que quando este não é o seu único trabalho, as pessoas tendem a achar que você faz apenas por hobby e que, por conta disso, não tem problema diminuir o valor;
  • A segunda é que se você diminui o valor, a cobrança pela foto é a mesma e o cliente ainda pode achar que você estava lucrando muito acima do normal. Já que deu um ‘descontão’, por que não cobra, de fato, este valor?

Então, atualmente, cobro o preço que acho justo pelas horas dedicadas ao trabalho, pela depreciação do material e pelos custos que tenho com deslocamento. Caso contrário, não faço por menos. Se um amigo muito próximo quiser me contratar, ainda assim não faço por menos. Das duas, uma: o valor total ou de graça.

E você? Já passou por alguma situação parecida? Já conseguiu transformar seu hobby em negócios? Como você cobra pelos seus serviços?

Foto “Pretty photographer”, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários