Hora do otimismo ou do pessimismo? Por que?É hoje! Vou rebater o artigo pessimista do Ricardo (risos). Ontem eu li uma entrevista no jornal “O Estado de São Paulo” e acho que ela é um bom estímulo para a nossa situação atual. O advogado, empresário e bibliófilo José Mindlin, de 94 anos, está otimista. Imagine por quantas situações um senhor desta idade já passou: crise de 29, 2a Guerra Mundial, choques do petróleo, troca de moedas e etc. Pois é, ele ainda está otimista! Vale a pena ler a entrevista.

Como vem sendo amplamente discutido por aqui, os preços de boas empresas estão baixos e por isso é um bom momento para as pessoas que estão pensando no longo prazo, na aposentadoria ou na independência financeira[bb] futura entrarem no mercado de ações. Há 3 semanas, venho discutindo isso com as interessadas no clube de investimentos “Meninas com Dinheirama”. Recebi diversos e-mails com histórias de vida, dúvidas, congratulações e, claro, preocupações com a crise.

Lu Monte, por exemplo, escreveu: “Mandei a proposta para algumas mulheres. Todas elas morreram de medo e falaram que era loucura entrar na Bolsa agora. Eu sei que agora, justamente por conta das quedas, é um momento interessante. Mas o difícil é convencer as outras…”. Ivonilde de Souza me disse: “O problema está no momento ruim pelo qual o mercado financeiro está passando. Estou quietinha. Não sei se vou ou se fico”.

Pois é, o medo nos inibe e é difícil colocar os sentimentos em segundo plano nessas situações. A minha resposta padrão para esses comentários é que a experiência de aplicar em ações[bb] (ou entrar no clube) deve ser gratificante, e não angustiante. Devemos pensar no nosso perfil: ele é arrojado ou não? Vou conseguir dormir se eu aplicar meu dinheiro em renda variável de alto risco?

Não adianta tentarmos mudar nossa personalidade. O máximo que vamos conseguir são olheiras e mal-humor. Para as pessoas que não estão certas da decisão, o ideal é entrar com o valor mínimo: R$ 100. Essa cota será valiosíssima para o aprendizado e para o estímulo de querer poupar mais, conscientemente ou não. Afinal, gastamos R$ 100 num piscar de olhos hoje em dia, não é?

Ainda sobre o clube, achei alguns comentários tão interessantes que vale a pena comentá-los aqui. A Neuza Nascimento disse: “Sempre fui avessa à segregação de gênero, mas isso fará com que eu tenha menos receio em expressar minhas dúvidas quanto ao futuro financeiro – assunto amplamente dominado pelos meninos”. A nossa intenção aqui não é segregar, mas sim comparar e aprender com as reações dos homens e mulheres diante do mercado financeiro[bb].

As mulheres ainda se sentem intimidadas em falar sobre finanças. Devemos “tratar” esse problema. O clube, com certeza, será um ótimo remédio. Além disso, as mulheres tendem a ser mais conservadoras e um clube exclusivamente feminino poderá aliar conhecimento, crescimento, conservadorismo e um toque de sensibilidade.

Voltando ao viés otimista, o e-mail enviado pela Ana Alves dizia: “Meu marido já aplica na Bolsa há algum tempo e está sempre me falando para começar. Inclusive, foi ele que me enviou seu artigo, então acho que chegou a hora… Moro em Marabá-PA, tenho 30 anos, duas meninas lindas e muita vontade de ficar financeiramente independente”.

Existe alguém mais otimista do que pais e mães? Acredito que, para ter filhos, devemos imaginar que o mundo que os aguarda será melhor do que é hoje. Devemos pensar que o amanhã será melhor e que devemos mudar para que ele mude também. Se nós não acreditarmos em nosso potencial e em nossa capacidade de transformar o ambiente que nos cerca, nada será feito.

Além do mais, se o povo brasileiro não acreditar em si mesmo, quem irá acreditar? E eu volto naquele assunto já abordado: “Enquanto uns choram, outros vendem os lenços…” Tudo depende da forma que enxergamos as coisas e como reagimos a elas, como mostra o vídeo “A vida é uma só”, de Fernando Bianchi.

Então lembre-se, o Clube de Investimentos “Meninas com Dinheirama” já está funcionando! Para aquelas que se interessarem, favor enviar um e-mail para o André Hojo, da Geração Futuro – [email protected] – ou para mim, no [email protected]. Está com dúvidas sobre como funciona o clube e quer conhecer seus detalhes operacionais? Leia o Estatuto clicando aqui.

Cabe ressaltar que o Dinheirama não tem nenhum retorno financeiro com o Clube de Investimentos e(ou) com a parceria realizada com a Geração Futuro. Nosso retorno vem da realização de um projeto antigo dos idealizadores do blog.

——
Mariana Prates é economista pela PUC-SP e pós-graduanda em Administração de Empresas pela FGV. Trabalha em precificação de Empréstimo em Folha e adora fazer planejamento financeiro para amigos e familiares.

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários