Home Mercados Ibovespa fecha com declínio discreto e volume reduzido e BB Seguridade sobe após balanço

Ibovespa fecha com declínio discreto e volume reduzido e BB Seguridade sobe após balanço

O volume financeiro somava 16,85 bilhões de reais, bem abaixo da média diária do ano de 25,8 bilhões de reais

por Reuters
0 comentário
O Ibovespa caiu 0,15%, a 119.329,76 pontos, de acordo com dados preliminares (Imagem: REUTERS/Amanda Perobelli)

O Ibovespa (IBOV) fechou com um declínio discreto nesta segunda-feira, em sessão com volume reduzido antes de divulgações relevantes na semana, como a ata da última decisão do Copom e números de inflação no Brasil e Estados Unidos, enquanto BB Seguridade (BBSE3) subiu mais de 2% após resultado trimestral.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 0,11 %, a 119.379,50 pontos, após chegar a 118.893,9 pontos na mínima e a 120.103,93 pontos na máxima. O volume financeiro somou 19,7 bilhões de reais, bem abaixo da média diária do ano de 25,8 bilhões de reais.

A manutenção da fraqueza do Ibovespa nesses primeiros pregões de agosto, após subir quase 16% no segundo trimestre, acompanha o movimento do capital externo na bolsa paulista, que até o dia 3 mostrava saldo negativo de 2,775 bilhões de reais, após dois meses de entradas líquidas, em dado que não inclui IPOs e follow-ons.

Até o momento, o Ibovespa acumula queda de em torno de 2% no mês.

A agenda prevista para semana também endossou o tom mais comedido na sessão, uma vez que na terça-feira serão conhecidos detalhes sobre a decisão do Banco Central de reduzir a Selic a 13,25% ao ano na última quarta-feira, assim como são esperados dados de preços ao consumidor no Brasil, na sexta, e Estados Unidos, na quinta.

Na visão do superintendente da Necton/BTG Pactual, Marco Tulli, este começo de mês também está refletindo algumas dúvidas relacionadas a movimentações em Brasília, particularmente a reforma tributária, no que diz respeito por exemplo à tributação de fundos exclusivos.

A proposta relacionada aos fundos exclusivos de investimento prevê que os seus rendimentos sejam tributados todo ano, e não apenas no momento do resgate, e faz parte das medidas para ampliar os recursos para o Orçamento de 2024, que serão enviadas para apreciação do Congresso no final do mês.

Na semana passada, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, explicou que pretende mandar ao Congresso o texto para mudar a tributação em um projeto de lei, e não como medida provisória.

O mercado secundário de ações ainda teve como pano de fundo nesta sessão a alta das taxas dos contratos de DI, o que acaba pressionando papéis sensíveis à economia doméstica. Além disso, a temporada de balanços no Brasil ganha fôlego nos próximos dias. Nesta segunda-feira ainda, Itaú Unibanco apresenta seus números.

Nem o desempenho positivo em Wall Street, com o S&P 500 avançando 0,9% e o Dow Jones subindo mais de 1%, animou o Ibovespa. Em Nova York, o começo da semana foi de ajustes após perdas nos últimos pregões, enquanto agentes financeiros aguardam dados de inflação nos EUA.

Destaques corporativos

BB Seguridade (BBSE3) avançou 2,38%, a 32,26 reais, após a empresa de seguros e previdência do Banco do Brasil reportar lucro líquido de 1,84 bilhão de reais no segundo trimestre, crescimento de 30,9% sobre o desempenho de um ano antes, bem como anunciar programa de recompra de ações.

Em teleconferência sobre o resultado, executivos da companhia disseram que a sinistralidade da BB Seguridade tem tido um desempenho “bem positivo” em 2023, enquanto a companhia não espera impacto relevante em seus resultados do segundo semestre por causa da queda da Selic.

Petrobras (PETR4) subiu 0,63%, a 30,19 reais, apesar do declínio dos preços do petróleo no exterior, onde o Brent recuou 1%.

Após flertar com o sinal negativo, as ações da Petrobras firmaram-se em alta, chegando a 30,5 reais na máxima do dia, depois que a Reuters noticiou que a companhia pode elevar em até cerca de 10% os investimentos previstos no próximo Plano Estratégico para o período de 2024 a 2028.

O diretor executivo Financeiro e de Relacionamento com Investidores da empresa, Sergio Caetano Leite, ainda afirmou que a alavancagem está sob controle, e que o plano de negócios da empresa prevê que investimentos serão feitos com geração de caixa próprio, de forma orgânica.

Itaú (ITUB4) cedeu 0,79%, a 27,66 reais, antes da divulgação do balanço após o fechamento do mercado nesta segunda-feira.

No setor, Bradesco (BBDC4) caiu 0,71%, a 15,34 reais, sem conseguir sustentar a trégua em parte da sessão, mesmo após desabar 6,65% na última sexta-feira, quando refletiu a recepção negativa aos números do segundo trimestre e previsões para o ano.

Banco do Brasil (BBAS3) desvalorizou-se 0,17% e Santander Brasil (SANB11) ganhou 0,07%.

JBS (JBSS3) recuou 2,16%, a 19,45 reais, tendo como pano de fundo resultado pior do que as expectativas da norte-americana Tyson Foods.

Minerva (BEEF3) encerrou com queda de 0,75% e Marfrig (MRFG3) subiu 0,75%.

BRF (BRFS3) perdeu 1,85% em meio a ajustes após saltar cerca de 6% na última sexta-feira.

Méliuz (CASH3) desabou 6,95%, a 8,84 reais, tendo no radar o resultado do segundo trimestre, previsto para terça-feira, após o fechamento do mercado.

A ação também ficou de fora da primeira prévia para o Ibovespa que irá vigorar no último quadrimestre do ano, divulgada na semana passada. Apenas neste mês, o papel contabiliza uma perda ao redor de 11%, após avançar mais de 27% em julho.

CVC Brasil (CVCB3), que também reporta seus números no final do dia 8, fechou em baixa de 3,97%, a 2,9 reais, tendo ainda como pano de fundo a alta das taxas futuras de juros.

Vale (VALE3) avançou 0,5%, a 67,9 reais, na contramão da queda dos futuros do minério de ferro na Ásia. O contrato mais negociado na Bolsa de Dalian, na China, encerrou as negociações diurnas com declínio de 1,6%.

Além disso, a companhia não conseguiu barrar o processo movido pela BHP na Justiça de Londres para que a Vale compartilhe a responsabilidade potencial em um processo de 36 bilhões de libras relacionado ao pior desastre ambiental do Brasil.

Embraer (EMBR3) subiu 2,17%, a 17,88 reais. Executivo da fabricante de aviões afirmou à Reuters que o aumento da demanda por jatos executivos visto durante a pandemia não enfraqueceu.

Assaí (ASAI3) avançou 1,31%, a 13,87 reais, tendo como pano de fundo relatório de analistas do Bank of America elevando a recomendação dos papéis para “compra”, bem como o preço-alvo de 16 para 20 reais.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.