Home Mercados Ibovespa oscila sem viés claro; Yduqs salta 9% e Suzano recua

Ibovespa oscila sem viés claro; Yduqs salta 9% e Suzano recua

Às 10h48, o Ibovespa subia 0,17%, a 127.961,97 pontos

por Reuters
0 comentário

O Ibovespa (IBOV) oscilava sem direção definida nesta terça-feira, na ausência de tendência clara no exterior e sem dados relevantes, com Yduqs (YDUQ3) entre os destaques positivos após previsões sobre lucro, enquanto Suzano (SUZB3) figurava na ponta de baixa após notícia sobre aumento de oferta pela International Papel.

Às 10h48, o Ibovespa subia 0,17%, a 127.961,97 pontos. O volume financeiro somava 2,9 bilhões de reais.

“O Ibovespa segue travado e sem aproveitar os bons ventos do mercado externo que atingiram novos recordes históricos recentemente”, destacaram analistas do Itaú BBA no relatório Diário do Grafista.”O momento é de esperar um rompimento para dar sinais mais claros do próximo movimento do mercado.”

Wall Street mostrava o S&P 500 e o Nasdaq com declínios modestos, enquanto o Dow Jones rondava a estabilidade, mas no azul. O rendimento do título de 10 anos do Tesouro dos Estados Unidos mostrava um pequeno alívio, a 4,4081%, de 4,437% na véspera.

Investidores continuam acompanhando dados econômicos e declarações de autoridades do Federal Reserve, na expectativa de sinais que ajudem nas apostas sobre o rumo da política monetária da maior economia do mundo. Na quarta-feira, o banco central norte-americano divulga a ata da sua última decisão de juros.

No Brasil, a Receita Federal divulgou que a arrecadação do governo federal teve alta real de 8,26% em abril sobre o mesmo mês do ano anterior, a 228,873 bilhões de reais, marcando o quinto recorde para o mês consecutivo. No acumulado de janeiro a abril, a arrecadação teve alta real de 8,33%.

Destaques

Vale (VALE3) subia 0,76%, com nova alta dos futuros do minério de ferro na China, diante da demanda resiliente e melhores perspectivas para o principal consumidor mundial do minério. O contrato mais negociado na Bolsa de Mercadorias de Dalian encerrou as negociações do dia com alta de 1,7%, a 908 iuanes (125,47 dólares) a tonelada.

 Petrobras (PETR4),tinha alta de 0,19%, apesar da queda do petróleo no exterior. O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, minimizou nesta terça-feira visão de que o governo tomou medidas para intervir na estatal quando trocou o presidente-executivo, afirmando que a CEO indicada, Magda Chambriard, “cumprirá” o plano de investimentos da Petrobras.

Yduqs (YDUQ3) saltava 9,98%, tendo no radar previsão do grupo de educação de um lucro líquido ajustado por ação de entre 1,6 e 1,9 real em 2024, segundo fato relevante ao mercado. A companhia também projetou que em 2025 o resultado líquido ajustado será de entre 2 e 3 reais por ação, enquanto a previsão para o ano seguinte é de entre 2,5 e 3,5 reais por papel.

Suzano (SUZB3) caía 3,7%. A Reuters publicou na véspera, citando fontes, que a companhia tem discutido com seus consultores a possibilidade de melhorar sua oferta de aquisição de 15 bilhões de dólares pela International Paper, após a empresa europeia rejeitar a abordagem inicial da companhia brasileira.

Sabesp (SBSP3) perdia 0,69%, mesmo com mais um passo no processo de privatização, após um novo contrato de concessão — que deve entrar em vigor ao final do processo de capitalização da empresa — ser aprovado por municípios atendidos pela companhia paulista de saneamento em reunião do conselho deliberativo da Urae-1.

 Itaú Unibanco (ITUB4) registrava variação negativa de 0,06%, enquanto Bradesco (BBDC4) subia 0,53%.

Lojas Renner (LREN3) recuava 2,25%, tendo de pano de fundo relatório de analistas da XP cortando a recomendação dos papéis para “neutra”, com preço-alvo de 18 reais, diante da avaliação de que o clima e o macro serão obstáculos para o crescimento e expansão de margem da companhia, com o segundo trimestre sendo um potencial gatilho para uma revisão negativa no lucro.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.