psicologia-postNo artigo anterior (clique para ler) falamos sobre planejamento e da importância de se ter um objetivo bem definido para, a partir disso, nos prepararmos adequadamente. Para elaborarmos um planejamento é preciso ter foco no objetivo.

Você se lembra de quando eu falei que uma possível resposta para o fato das pessoas abandonarem os preparativos para seu próprio futuro seria o foco? Bem, quando estamos focados no resultado, no ponto aonde queremos chegar tendemos a desempenhar as tarefas com mais leveza e não sofremos tanto ao fazer sacrifícios.

Então sem dúvida manter foco é algo imprescindível. Entretanto, a maioria de nós está sujeita a uma coisa chamada Ilusão de Foco.

Para colocar de uma forma bem simples, nós temos uma tendência a exagerar a nossa previsão sobre os benefícios ou prejuízos que algo pode trazer para a nossa vida quando o nosso foco está nesse algo. Por exemplo, em um de seus artigos intitulado “The Focusing Illusion”, Kahneman diz que:

“A renda é um grande determinante da satisfação das pessoas com suas vidas, mas é bem menos importante do que a maioria de nós pensa. Se todos nós tivéssemos a mesma renda, as diferenças entre a satisfação das pessoas com suas vidas seriam reduzidas em menos de 5%.

A renda é menos importante ainda como um determinante de felicidade emocional. Ganhar na loteria é um evento feliz, mas não dura muito. Na média, indivíduos que possuem uma renda maior tem um humor melhor do que as pessoas com renda menor, mas a diferença é apenas um terço do que você esperaria. Quando você pensa entre ser rico e ser pobre, seus pensamentos estão inevitavelmente focados em circunstância onde a renda é importante”.

O grande problema com a Ilusão de Foco é que as coisas não melhoram da forma que esperávamos. Quando imaginamos que algo vai melhorar quando X acontecer e olhamos para o resultado, percebemos que quando X acontece as coisas até melhoram, mas dificilmente com a intensidade que previmos.

Conclusão? Decepção. E quanto maior a discrepância de intensidade entre a previsão e a realidade, maior a decepção. Isto talvez explique essa “epidemia” de casos de depressão, estresse e outras doenças intimamente ligadas a nossa subjetividade em relação a nossa satisfação com a vida e felicidade.

Se você olhar para a sua vida, você com certeza vai encontrar momentos em que você sofreu os efeitos da Ilusão de Foco. Momentos em que você exagerou nas suas previsões em relação ao seu grau de satisfação com a vida ou com a sua felicidade por conta da concretização de uma meta ou de um sonho.

Por isso, quando pensar em um objetivo tente avaliar como a concretização dessa meta vai afetar cada aspecto da sua vida: pessoal, familiar, profissional, emocional, financeiro e outros que você julgar importante. Desta forma fica mais difícil da Ilusão de Foco te pegar.

Foto de freedigitalphotos.net.

Adriana Spacca Olivares Rodopoulos
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários