Mal o ano começou e o governo federal já começou a tomar medidas duras na tentativa de “cobrir” os altos gastos que vinha desempenhando nos últimos anos. Uma dessas medidas anunciadas no dia 19/01/2015 pelo ministro da Fazenda Joaquim Levy foi ou aumento dos seguintes tributos: IOF, PIS, COFINS e CIDE (Combustíveis).

O IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) foi elevado de 1,5 % (um e meio por cento) para 3% (três por cento) nas operações de crédito. Já o PIS (Programa de Integração Social), COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) e CIDE (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) mexeram de forma direta no preço dos combustíveis, uma vez que o aumento das alíquotas desses tributos elevará o preço da gasolina em R$ 0,22 (vinte e dois centavos) e do diesel em R$ 0,15 (quinze centavos).

Infelizmente, tais medidas tendem a impactar diretamente e de forma negativa na economia do Brasil, principalmente nos setores automobilístico e imobiliário. A seguir será descrito um pouco sobre esses setores e os impactos que tais medidas fiscais tendem a causar na economia nacional.

Setor automobilístico no Brasil

O setor automobilístico no Brasil representa cerca de 5% (cinco por cento) do PIB (Produto Interno Bruto) nacional e cerca de 23% (vinte e três por cento) do PIB industrial, segundo dados da ANFAVEA (Associação Nacional dos Fabricantes de veículos Automotores).

Durante os anos de 2012 e 2013, o setor esteve bastante aquecido, período em que houve a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e as linhas de créditos estavam bastante acessíveis (concessionárias do país conseguiam vender os seus veículos em estoque sem entrada).

Contudo, após a suspensão desse benefício, as vendas caíram em torno de 7,2%, segundo dados da Carcon Automotive, em comparativo aos anos de 2013 e 2014. Ou seja, se apenas com a suspensão do benefício as vendas já caíram, imagine com essa última medida de elevação de impostos tomada pelo governo federal.

Setor imobiliário no Brasil

O setor imobiliário viveu momentos de glória no país. Muitos construtores e corretores lucraram bastante com o setor, o que se deve à alta nos preços dos imóveis e a facilidade que as linhas de crédito eram oferecidas aos seus compradores. Este setor representa cerca de 9% do PIB, segundo dados do Portal Brasil.

Contudo, começou a haver queda de vendas no setor em decorrência da supervalorização do preço dos imóveis e ao aumento dos custos financeiros no financiamento imobiliário. Este aumento se deve à inflação gerada pelo excesso de demanda sobre a oferta de linhas de créditos e ao alto endividamento da população brasileira – segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), cerca de 54,15% das famílias brasileiras estão endividadas.

Previsão de impactos negativos na economia nacional

Grande parte dos brasileiros adquire seus veículos e imóveis por meio de financiamento bancário. Então, com a elevação da alíquota do IOF, os financiamentos de veículos e imóveis ficarão ainda mais caros, havendo assim uma expectativa de queda nas vendas destes bens.

Para a venda de imóveis, além do agravante do IOF, também cabe reforçar o leitor sobre o aumento da taxa de juros anunciados pela Caixa Econômica Federal, em linha com a elevação da taxa básica de juros (Selic), atualmente em 12,25% ao ano.

Além disso, o aumento dos tributos sobre o combustível deixará ainda mais caro manter um veículo nesse país, ou seja, isto também contribui diretamente e de forma significativa para a queda nas vendas e problemas no orçamento doméstico de muitas famílias.

A conta dos impostos é sempre nossa!

Conforme já era previsto para o início desse ano, a população mais uma vez arca com as consequências da condução das contas públicas do governo federal. As mudanças anunciadas podem gerar um “efeito cascata”, uma vez que a tendência das vendas é cair enquanto o desemprego cresce – e queda de vendas e de renda significará arrecadação tributária menor.

Além disso, se os postos de emprego se reduzirem mesmo, a quantidade de pessoas integrantes da População Economicamente Ativa (PEA) também diminuirá, o que reduzirá o consumo e, consequentemente, a arrecadação do governo.

Diante dessa tendência, os empresários e investidores deverão trabalhar novos preços, mais atrativos, com base na redução da sua margem de lucro unitária para tentar ganhar na quantidade vendida. O imóvel, um investimento de baixa liquidez, deverá ser comercializado a partir de novas estratégias de vendas.

Com base nessa análise, arrisco-me a deixar uma dica aos consumidores e investidores: aqueles que puderem esperar e analisar o comportamento do mercado no período de dois anos (curto prazo) poderão fazer bons negócios. Diante de tudo isso, o melhor mesmo é esperar!

Todavia, para aqueles que não puderem esperar e quiserem comprar o seu veículo e imóvel antes disso, e o mercado não apresentar nenhuma tendência de preço “favorável” ao consumidor, a melhor coisa a fazer é pagar à vista ou dar uma boa entrada e financiar o menor valor possível – obviamente que essa opção cabe apenas àqueles que já possuem uma boa poupança.

Como sempre, os indivíduos que não possuem poupança e não puderem ou quiserem esperar, serão penalizados com um pagamento muito maior que nas outras opções citadas anteriormente. Atenção para o impacto das mudanças no seu bolso, isso é muito importante. Até a próxima!

Foto “Sad Brazilian”, Shutterstock.

João Ribeiro Furtado Neto
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários