Home Economia e Política Indústria no Brasil sobe 3,6% em janeiro em 12 meses e supera expectativas

Indústria no Brasil sobe 3,6% em janeiro em 12 meses e supera expectativas

As expectativas em pesquisa da Reuters com economistas eram de queda de 1,3% na variação mensal e de alta de 2,8% na base anual

por Reuters
0 comentário

A produção industrial no Brasil teve em janeiro a maior queda em quase três anos, num resultado pior que o esperado pressionado por perdas nas indústrias extrativas e de alimentos, iniciando 2024 em tom negativo depois de resultados positivos no final ano passado.

Em janeiro, a produção contraiu 1,6% na comparação com o mês anterior, informou nesta quarta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação ao mesmo mês do ano anterior, a produção teve alta de 3,6%.

O resultado mensal representa a queda mais intensa desde abril de 2021 (-1,9%) e elimina parte do ganho de 2,9% acumulado no período de agosto a dezembro de 2023.

As expectativas em pesquisa da Reuters eram de recuo de 1,3% na base mensal e alta de 2,8% na anual.

A indústria nacional teve em 2023 expansão de 1,6% sobre 2022, de acordo com os dados do PIB. O ano foi marcado por variações mensais perto de zero, com o setor enfrentando de um lado dificuldades externas e juros elevados no Brasil, e de outro arrefecimento da inflação e um mercado de trabalho aquecido no país.

No entanto, o resultado de janeiro da produção interrompe dois meses seguidos de altas e o setor ainda está 0,8% abaixo do patamar pré-pandemia, de fevereiro de 2020, e 17,5% abaixo do nível recorde alcançado em maio de 2011, de acordo com o IBGE.

O IBGE destacou que, em janeiro, seis dos 25 ramos pesquisados mostraram recuo na produção, com destaque para as quedas de 6,3% das indústrias extrativas e de 5,0% dos produtos alimentícios.

“A primeira atividade foi pressionada pela menor extração de petróleo e minério de ferro, interrompe dois meses consecutivos de crescimento na produção, período no qual acumulou expansão de 6,7%”, explicou o gerente da pesquisa, André Macedo.

“A segunda teve como principal influência negativa a redução na fabricação de açúcar, eliminando parte da expansão de 11,3% acumulada no período entre julho e dezembro”, completou.

Entre as categorias econômicas, Bens de Capital tiveram alta de 5,2% em janeiro, mas a fabricação de Bens Intermediários contraiu 2,4% e a de Bens de Consumo caiu 1,5%.

Veja o documento:

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.