Sim, o noticiário brasileiro todos os dias fala nessa palavrinha que ninguém gosta: inflação. E há bons motivos para isso, afinal, esse monstro chega manso, vai ficando nervoso, e se ficar descontrolado, pode destruir a economia de um país (veja a Venezuela, por exemplo).

Por isso é tão importante você unir o conhecimento sobre inflação e investimentos, de tal forma que consiga proteger o seu patrimônio do fogo do dragão. Vamos falar um pouco sobre isso então.

Conceitos básicos sobre inflação

A taxa de inflação é a variação percentual de custo em um período em relação a outro. De maneira simplificada, a existência de inflação mostra a diminuição do poder de compra do seu dinheiro. Se há inflação, seu dinheiro vale menos.

No ano passado, a inflação medida pelo IPCA, o índice oficial do Brasil, chegou aos “assustadores” dois dígitos, ao ficar em 10,67%. Se seu salário teve um reajuste de apenas 8%, por exemplo, você perdeu dinheiro, isto é, seu aumento não foi suficiente para acompanhar a alta dos preços dos produtos e serviços.

E a mesma lógica vale para os investimentos. Não adianta pensar que sua alocação de recursos foi boa simplesmente porque você conseguiu aumentar o patrimônio. É preciso, antes de tudo, superar a inflação.

Muitos leitores nos perguntam por que dizemos que deixar o dinheiro na poupança tem significado perder dinheiro nos últimos tempos. Ora, se a inflação sobe mais do que o rendimento da poupança — o de 2015 —, você não teve um ganho real. Ganho real?

Rendimento nominal e rendimento real

Para analisar sua carteira de investimentos, é fundamental analisar sempre os rendimentos nominal e real de suas aplicações. O rendimento nominal é o resultado bruto de uma aplicação em determinado período, sem levar em conta a inflação. Já o rendimento real desconta as perdas com a inflação, ou seja, ele mostra o resultado efetivo de seu investimento, se de fato houve lucro na aplicação.

E como calcular o retorno real? Sabemos que este é o instinto natural, mas aviso: não adianta simplesmente subtrair a inflação do rendimento da aplicação, ou seja: 8,07% (variação da poupança em 2015) menos 10,67% (variação do IPCA em 2015). Mas fique calmo, o cálculo para descobrir a taxa de juro real é simples.

Apliquemos a fórmula para descobrir o rendimento real da poupança no ano passado.

Inflação: aprenda a domar este dragão e proteja seu dinheiro

Rentabilidade real da poupança em 2015 = [(0,0807 + 1) / (0,1067 + 1)] – 1

Rentabilidade real da poupança em 2015 = [1,0807/1,1067] – 1

Rentabilidade real da poupança em 2015 = -0,023, ou -2,3%

Logo, a poupança registrou perda real de 2,3% no ano passado, o que mostra o motivo de nossa recomendação para buscar aplicações mais vantajosas.

Domando o dragão

Não adianta ficar resmungando que o dragão, ou melhor, a inflação, está prejudicando seu patrimônio e suas aplicações. Há investimentos que garantem a reposição dos custos, ou seja, você consegue garantir a correção pela inflação e ter rentabilidade real. É assim que domamos o bicho.

Existem, no mercado brasileiro, algumas opções de investimentos cujos rendimentos acompanham parcialmente a variação de índices de inflação, como alguns CDBs, LCIs, fundos de investimento, debêntures e títulos públicos.

Mesmo na renda variável (bolsa de valores, fundos de investimento em ações, etc) é possível procurar certa correlação entre o retorno das aplicações e a inflação. Ainda que os preços das ações estejam sujeitos a uma série de fatores e que não haja garantia de determinado retorno, há empresas com modelos de negócio que capturam o efeito da trajetória da inflação em suas receitas. É o caso de companhias reguladas e de concessionárias de serviços públicos, com cláusulas de reajustes anuais das tarifas em seus contratos.

A situação também se aplica aos fundos imobiliários, por conta do reajuste dos preços dos aluguéis de imóveis por índices de inflação, mas, novamente, esses são ativos sujeitos a diversos fatores que, assim, como ocorre com as ações, influenciam os preços das cotas negociadas em bolsa.

Qual o melhor jeito de domar a fera?

Mesmo com esse leque amplo de opções, são os títulos públicos, mais especificamente o Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal) e o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTN-B), as principais referências no Brasil para se proteger da inflação.

A rentabilidade desses papéis funciona da seguinte forma: uma parte é composta por uma taxa predefinida no momento da compra do título, e a outra fatia corresponde à variação do IPCA. Isso significa dizer que, se você carregar o título público até o vencimento, vai acompanhar a variação dos preços ao longo do período. Não fará diferença para seu portfólio se o IPCA disparar, porque você terá travado esse acompanhamento da inflação.

Dragão ficando manso? Será?

Nos últimos dois meses, a inflação surpreendeu positivamente os economistas, ao desacelerar e ficar abaixo do previsto. Em fevereiro, o IPCA subiu 0,90% e, em março, a alta foi de 0,43%. Ainda assim os títulos públicos como o Tesouro IPCA+ continuam sendo os preferenciais quando o assunto é proteção de patrimônio com lucros reais.

Mas, com toda a volatilidade que a atual movimentação política está gerando nos preços dos ativos, fique atento a novas oportunidades e a eventuais mudanças que precisem ser feitas nos seus investimentos. Estaremos de olho também!

E antes de nos despedirmos, não deixe de clicar aqui para receber gratuitamente um relatório detalhado sobre os investimentos que vencem a inflação e outros que não cumprem com seu papel, mas que continuam sendo oferecidos, principalmente pelos bancos. Todo cuidado é pouco quando o assunto é proteger o seu dinheiro. Um abraço e até a próxima!

Nota: Esta coluna é mantida pelo Criando Riqueza, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto “dragon”, Shutterstock

Criando Riqueza
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários