Após a forte aceleração em maio (0,78%), a inflação perdeu força no mês de junho. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado nesta sexta-feira (8) pelo IBGE, apresentou variação de 0,35% no mês passado, menos da metade da taxa de maio e o menor valor desde agosto de 2015, quando o indicador ficou em 0,22%.

No primeiro semestre, a inflação subiu 4,47%, abaixo dos 6,17% registrados no mesmo período de 2015. O resultado acumulado em 12 meses desacelerou, caindo de 9,32% em maio para 8,84% em junho, menor resultado para um período equivalente desde maio de 2015, quando estava em 8,47%.

Na passagem de maio para junho, o ritmo de aumento de preços diminuiu em sete dos nove grupos de produtos e serviços que integram o IPCA. Os únicos grupos que registraram taxas maiores foram Transportes, e Comunicação.

Deputados articulam aliado de Cunha para Presidência da Câmara

De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, os líderes partidários articulam eleger o sucessor de Eduardo Cunha (PMDB) no comando da Câmara em votação na próxima terça-feira (12), ao contrário da previsão do presidente interino da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), que chegou a marcar sessão para dois dias depois.

Pelo menos 12 nomes circulam como candidatos, cinco com mais força: Rogério Rosso (PSD), Osmar Serraglio (PMDB), Baleia Rossi (PMDB), Fernando Giacobo (PR) e Beto Mansur (PRB).

Até a noite desta quinta, Rosso despontava como favorito, por ter o apoio de Cunha, do chamado “centrão” (grupo de deputados de PP, PR, PTB, PSD e PRB), e a simpatia do Palácio do Planalto.

O escolhido vai dirigir a Câmara durante um “mandato-tampão”, até 1° de fevereiro do ano que vem, sem possibilidade de reeleição.

Taxa de juros no cartão de crédito salta em junho para 447% ao ano

A taxa média de juros cobrada no cartão de crédito saltou em junho para 447,44% ao ano, ainda no maior patamar desde outubro de 1995, segundo levantamento da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) divulgado nesta quinta-feira (7). Já os juros mensais foram de 15,22%.

Em maio, a taxa média era de 441,76% ao ano (15,12% ao mês).

O cenário de alta de inadimplência provocada pelo desemprego crescente, aumento de impostos e inflação persistente se mantêm como principal fator de pressão para a elevação dos juros em junho, afirmou Miguel José Ribeiro de Oliveira, diretor da Anefac, em entrevista ao jornal Folha de São Paulo.

“O futuro ainda é um pouco incerto, se levarmos em conta o cenário econômico atual, que aumenta o risco de elevação dos índices de inadimplência”, ressalta. Para ele, a tendência é de que as taxas de juros das operações de crédito voltem a ser elevadas nos próximos meses.

Mercado Financeiro

O mercado recebeu com otimismo a proposta de déficit para as contas públicas no ano de 2017. Mesmo com o rombo de R$ 139 bilhões, ficou clara a disposição da equipe econômica de cortar despesas e conter a trajetória cada vez mais crescente da dívida pública.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, opera as 11h10 em alta de +1,73% com 52.915 pontos enquanto o dólar cai -1,03% negociado a R$ 3,30.

 

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários