Como a alta dos alimentos influencia nossa vida?A forte alta nos preços dos alimentos, ocorrida especialmente nos últimos anos, começa a chamar a atenção pelos efeitos sentidos no mundo todo. Sobre a questão, algumas situações e implicações demonstram o quanto ainda temos que avançar sob os aspectos macroeconômicos[bb]. Um dos pilares desse aumento é a diminuição da pobreza – principalmente nos paises emergentes – onde a população passou a ter acesso mais decente ao básico para a boa vida humana: a alimentação.

Traduzindo, há um forte aumento da procura (demanda) por mais alimentos. Tal demanda não foi acompanhada – ao menos não na mesma proporção – pela oferta. A produção mundial ficou “estagnada” e foi até reduzida em alguns países, principalmente quando falamos em alimentos básicos como arroz, feijão, milho etc.

Na América Latina, o Brasil se destaca!
Olhando para a América Latina, os analistas concordam com os prognósticos dos órgãos financeiros multilaterais, como o FMI, o Banco Mundial e o BID, para quem a região está mais bem preparada para enfrentar crises econômicas do que em épocas anteriores. Entretanto, é necessário que os governos tomem posições que garantam a viabilidade de uma política austera e sóbria, não deixando pairar dúvidas sobre a credibilidade do sistema.

Na Argentina, por exemplo, as medidas restritivas para exportação do trigo colocam em xeque a viabilidade desse cultivo, já que no “melhor da festa” para os agricultores, no momento em que seria possível aproveitar melhores preços no mercado internacional[bb], o governo simplesmente proibiu a exportação para tentar reduzir o preço do produto no mercado interno.

O que em um primeiro momento parece a luz no fim do túnel se torna o melhor incentivo para que os agricultores rumem em outra direção, em busca de outros tipos de cultivo, deixando diminuir as futuras safras e sua produção. É uma equação um pouco mais complicada, mas podemos considerar esse ato como uma bomba relógio. Mais cedo ou mais tarde, teremos uma explosão.

O Governo acerta…
No Brasil, o Ministro da agricultura, Reinold Stephanes, descarta (a não ser em casos extremos) qualquer tipo de medida restritiva para exportação. No caso do arroz, por exemplo, a safra brasileira atual garante a demanda interna e ainda possibilita um incremento nos negócios fora do país. Vale lembrar, é verdade, que o mercado de arroz ainda é fundamentado no consumo nacional.

Algumas medidas, entretanto, já estão sendo anunciadas para tentar diminuir a pressão sobre os preços. A primeira será justamente o leilão de arroz do estoque federal, marcado para acontecer no dia 5 de maio. Inundando o mercado com seus estoques, o governo quer ver os preços baixarem. É uma medida natural. Se necessário, novos leilões serão realizados.

Enquanto isso nos EUA…
Se por aqui tudo parece sob controle, o mesmo não se pode dizer do que vem acontecendo no mercado internacional. Muitas manifestações populares estão acontecendo mundo afora, especialmente nos países mais pobres.

O medo e a apreensão sobre a possível falta do arroz têm causado um fenômeno raro na história norte americana: as duas maiores redes atacadistas do país limitaram a compra de arroz. A chamada histeria coletiva estava levando as pessoas, indústrias e restaurantes a montar estoques do produto, piorando mais a situação e aumentando ainda mais a escassez.

Sobrou para o biocombustível…
O biocombustível foi (ainda é) criticado e apontado como um dos responsáveis pela queda na oferta dos alimentos no mundo. É preciso separar o joio do trigo. Ou melhor, do milho. Nos Estados Unidos, o biocombustível é produzido a partir do milho.

A utilização do combustível verde oriundo do milho refletiria no preço de um produto (milho) que é importante para a ração animal, aumentando aí o preço de toda uma cadeia, que vai da carne dos animais a todos os derivados do leite.

Diferentemente dos EUA, aqui no Brasil utiliza-se a cana de açúcar para extração do álcool. O grande ‘X’ que se coloca sobre a nossa opção tem relação com os possíveis impactos ambientais, especialmente sobre o desmatamento.

É de se estranhar que as organizações internacionais não se pronunciem sobre a alta do preço do petróleo, sem considerá-lo como um dos principais atores nesse atual momento de inflação mundial. Vale lembrar que sua alta influencia diretamente os processos agropecuário e logístico (transportes), que encarecem o preço final dos alimentos.

Um 2008 caro pela frente!
Espera-se, por aqui e por lá, um 2008 repleto de preços altos. Ao consumidor, vale lembrar que uma das alternativas é a substituição de alimentos muito caros por marcas diferentes ou até mesmo por outros produtos semelhantes em teor nutritivo. A criatividade[bb] do brasileiro pode fazer a diferença nessa briga contra os preços altos.

Por hora, a movimentação do governo brasileiro parece estar correta, coesa e bem focada. Estamos todos de olho nos movimentos dos mercados, tentando trazer o noticiário econômico de forma didática e fácil de entender. Fico por aqui. Bom final de semana.

——
Ricardo Pereira é Analista Financeiro Sênior da ABET Corretora de Seguros, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários