Informação: o verdadeiro ativo para o sucessoTodos os dias, milhões de informações trafegam pela internet, pelos jornais, pela TV e rádio. Sempre acreditei que um dos grandes diferenciais entre as pessoas bem sucedidas e as não tão bem sucedidas é o uso que elas fazem da informação[bb] – além de como ela é obtida. É importante valorizar o momento e a pessoa que detém a informação com exclusividade, mas também a forma com que ela é transformada em valor agregado e em resultados.

Hoje sabemos que o vazamento de informações pode se transformar em caso de polícia – existem grampos em telefones, espiões industriais e tudo mais. Vejamos um exemplo: o caso da Operação Satiagraha é um elo de informações roubadas e jogadas de acordo com a necessidade do momento. Os investigados e o investigador passam hoje pelo crivo da sociedade, afinal a democracia é assim. Ou deveria ser.

Trazendo a discussão para o aspecto financeiro, cabe lembrar que tivemos casos interessantes de vazamento de informações relevantes em aquisições, fusões e vendas de empresas. Vazamentos, inclusive, que serviram para alguns fazerem fortunas. Hoje se sabe que a CVM faz uma fiscalização dura sobre informações privilegiadas e “marca em cima” quem tenta burlar as regras do jogo.

Na minha vida profissional, vivi uma situação interessante. O ano era 1997 e o mês, outubro. Recém contratado no Banco Garantia, vi de perto um dos bancos mais emblemáticos da história do Brasil passar por problemas de liquidez justamente por interpretar e se utilizar de uma informação de maneira equivocada.

Existiam informações, por parte dos operadores do banco, que davam conta do fortalecimento do país; tratavam-se de dados econômicos. O banco se antecipou à divulgação dos resultados e se “montou” em títulos da dívida. Menos de 24 horas após a operação financeira, estourou a crise financeira do Sudeste Asiático. Pronto, os títulos dos países em desenvolvimento foram extremamente afetados.

Por não utilizar fielmente uma ou outra informação, o banco que era conhecido por nunca perder (aliás sempre ganhava muito) enfrentou um grave problema de liquidez. Pelas palavras do próprio Jorge Paulo Lehman, o banco perdeu US$ 115 milhões e, em menos de 24 horas, precisou encontrar US$ 500 milhões. Lembro que foram dias difíceis e o próprio Jorge Paulo desceu à mesa de operações. Fui testemunha.

Como você lida com as informações?
Essa experiência que relatei mostra como as informações são importantes. Mas, mais do que apenas tê-las e dominá-las, é importante entender qual sua dinâmica em relação aos negócios[bb] que você pretende realizar. Você é passivo diante das informações ou gosta de ir a frente e fazer delas verdadeiros ativos que lhe trarão dividendos futuros? Como as interpreta?

Informações muitas vezes podem ser traduzidas como “oportunidades”, principalmente quando lembramos que vivemos em um mundo conectado e disponível através da Internet – onde a distância é pouco importante e tudo acontece em tempo real.

Educação Financeira é também saber tratar a informação
Comecei a pensar no paralelo entre riqueza, felicidade e independência financeira. Por que algumas pessoas lidam com o dinheiro melhor do que outras? Você já parou para pensar isso? Este cidadão com as finanças mais prósperas tem acesso e interesse maior pelas informações sobre o assunto disponíveis por ai? Sem dúvida, mas há quem ainda duvide disso.

É interessante pensar que o dinheiro circula livremente em nossas mãos. Ele vem, vai, compra isso, se transforma naquilo e evapora. Ora, é óbvio que quem transforma informação em conhecimento aprende a guardar dinheiro e a retê-lo dentro de sua caixa de oportunidades[bb], além de investi-lo e, desta forma, multiplicá-lo. Quem se informa valoriza o planejamento.

A educação financeira é um verdadeiro modo de viver, um estilo de vida. Conceitos e informações simples terão sempre novos significados e abrangência maior para quem conhecer as finanças e respeitar o dinheiro. E há sempre algo mais interessante há fazer com a informação sobre este ou aquele dado financeiro de seu interesse. Educação financeira é aprender a conviver com a importância das finanças no cotidiano. Como você lida com o tema?

Incentivo à prestação de serviços sociais
A Empresa Junior do Centro Universitário São Camilo em São Paulo, comandada pela Professora Ana Cristina Pereira, se propôs a realizar a Declaração de Imposto de Renda 2008/2009 de qualquer cidadão interessado e que não tenha experiência com o Leão. Em troca, os interessados devem levar dois quilos de alimentos não perecíveis, que serão doados para instituições carentes. Para conhecer melhor a iniciativa e colaborar, veja o material de divulgação oficial.

——
Ricardo Pereira é educador financeiro e palestrante credenciado pelo Instituto DiSOP, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários