Inovação é tudo!Cada novo artigo é um grande desafio para mim. Claro, um desafio extremamente prazeroso. A possibilidade de poder participar do dia-a-dia dos leitores, confesso, transforma esse prazer em responsabilidade. Sabendo disso, e pensando na boa aceitação do texto, procuro sempre transformar simples linhas em um instrumento de forte discussão e interação.

Hoje encontrei-me mais uma vez pensando como um leitor. Gostaria que nesse espaço fosse encontrado um vasto material sobre os mais diversos produtos financeiros, conciliando seus detalhes e a realidade econômica do país. Excelentes blogs e sites tratam do tema com muita propriedade. Pensando como cidadão, sempre ao lado meu colega Navarro, prefiro ver o Dinheirama como mais do que um simples espaço de discussões sobre economia e finanças.

Surgimos com a proposta de fazer, sim, um pouco mais do mesmo, mas de uma maneira diferente, porque o que buscamos no fundo é participar ativamente da vida das pessoas e não só de suas decisões econômico-financeiras. Nosso objetivo tem sido alcançado e hoje o blog usufrui de credibilidade e grande visibilidade, inclusive com menções em programas de TV, rádio e demais mídias. Mas e daí?

O segredo para alcançarmos, em tão pouco tempo, resultado tão expressivo passa por uma das palavras mais usadas na atualidade, inclusive como sinônimo de sucesso: INOVAÇÃO. Ao contrário do que muitos acreditam, inovar não é só criar algo novo. Inovação é também agregar valor, fazer a diferença, ser diferente.

Não faltam exemplos…
Um dos exemplos mais práticos de inovação é o IPhone, da Apple (do incrível Steve Jobs). Com maestria, Jobs conseguiu criar enorme desejo pelo produto nas pessoas, aliando design, praticidade e usabilidade à outras características já existentes em outros aparelhos. Inovou e a coisa virou uma febre!

Outro exemplo gritante de inovação é o Google, uma espécie de benchmark dos negócios da era digital. A empresa já chegou aos 100 bilhões de dólares de valor de mercado. A sede da empresa, o conhecido Googleplex, um campus com mais de 85 mil metros quadrados na Califórnia, propicia aos empregados facilidades e estrutura diferenciada, salão de jogos, muita liberdade e facilidades.

Essa estrutura traduz-se em uma mola propulsora para que o trabalho possa fluir de maneira inteligente, cercado de inovação e espírito empreendedor. Cada funcionário tem que ser organizar para se dedicar 70% do tempo às principais atividades da empresa, 20% à questões correlatas e 10% a projetos que não tenham nada a ver com nada. Assim nasceu o Orkut.

Inovação e a competividade
É fato que agregar valor ao produto mostra-se uma ação que, quando bem feita, gera competitividade. Diante da inevitável concorrência do mercado, especialistas recomendam que o empresário tenha que, dentre outras atitudes, saber ouvir seu cliente. Mas será que isso é inovar? Se pouca gente costuma trabalhar assim, pode ser que sim.

Entre os muitos desafios enfrentados pelas 4,5 milhões de micro e pequenas empresas brasileiras, talvez um dos principais seja driblar a concorrência e atrair o cliente. Para esse tipo de empreendimento, muitas vezes é complicado competir investindo apenas no preço mais baixo.

Inovação como diferencial
Sob esse prisma, é preciso inovar, procurar atribuir um diferencial ao seu negócio, agregar valor ao seu produto, dar especial atenção ao seu cliente. De novo, inovação não está diretamente ligada somente às grandes idéias ou invenções. Através da observação do dia-dia e ouvindo a opinião do seu cliente, o empresário poderá encontar as respostas necessárias para que seu negócio possa deslanchar.

O consultor do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (SEBRAE-SP), Gustavo Carrer, dá a dica do primeiro passo a ser tomado por executivos para que eles possam alcançar este objetivo:

“É preciso fazer um levantamento junto ao cliente e verificar se os produtos oferecidos pela empresa realmente fazem diferença. Às vezes, o que é importante para o empresário o consumidor não dá o devido valor. Como essa é a peça importante do negócio, as atenções têm que estar voltadas para o interesse dele”

A inovação é uma estratégia que transcende o planejamento apenas baseado no preço baixo, que é uma forma de concorrência muito difícil para a pequena empresa, e deve ser encarada como uma ferramenta que está ao alcance de empresas de qualquer tamanho. Inovação é, acima de tudo, uma oportunidade de melhorar.

Na visão de Carrer, se o empresário criar uma cultura focada na inovação, a médio prazo ele verá sua empresa deslanchar no mercado nacional (por que não internacional?). Felizmente, este artigo não pode citar regras prontas e enlatadas de como se transformar em alguém inovador. A graça está exatamente na necessidade individual de realizar esse exercício.

Não existe nada melhor do que trabalhar com o que gostamos. Dedicando amor, fé e boa vontade ao nosso trabalho, tudo fica mais fácil. Inovar também, afinal inovar significa ser feliz e jamais deixar de acreditar no potencial que existe dentro de cada um de nós (e de nossos negócios).

Veja algumas boas obras sobre inovação:

Bom final de semana. Aproveite e ajude a divulgar o Dinheirama para os parentes e amigos.

——
Ricardo Pereira é Analista Financeiro Sênior da ABET Corretora de Seguros, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários