Dinheiro, sucesso e a vida de investidorNão adianta fugir, o debate que cerca a volta da inflação continua pautando o noticiário econômico. Não é pra menos, já que todos concordamos que inflação é sinônimo de perda de poder de compra, além de ser principal fator de risco para a estabilidade econômica[bb] do país. Nestes momentos, muitos governos costumam trocar os pés pelas mãos tentando criar “planos milagrosos”.

Nos últimos dias, foram dados mais alguns sinais de que o Banco Central manterá a política de ajuste na taxa de juros como instrumento chave para o controle da alta dos preços. Alguns analistas já falam que a Selic pode chegar a 16%. Vale salientar que tudo que se faz agora para combater a inflação dificilmente apresentará resultado ainda este ano. Por enquanto, é consenso que o teto da meta de inflação para 2008, de 6,5%, não será ultrapassado. Mas há o pior cenário, que mostra que a alta pode ser de 7%.

“Nas atuais circunstâncias domésticas, existe o risco de que os agentes econômicos passem a atribuir maior probabilidade de que elevações da inflação sejam persistentes, o que implicaria em redução da eficácia da política monetária” (Henrique Meirelles, presidente do BC)

O X da questão é entender até que ponto o aumento dos juros gerais da economia conterá uma inflação oriunda da alta dos preços das commodities, alçada à estratosfera financeira pela alta procura de algumas matérias primas como o petróleo, alguns minérios e alimentos – cuja busca elevada vem sendo causada pela estabilidade e crescimentos dos países emergentes.

Juro alto não significa frear o crescimento?
Acredito que a ação do BC de elevar os juros acerta em cheio o crescimento do país, limitando e encarecendo (ainda mais) o crédito e a procura interna pelos bens de consumo. E, sim, esta estratégia bate de frente com algumas indústrias, como a automobilística e a de construção civil.

Sinal de alerta, portanto, porque nos últimos anos o brasileiro absorveu com facilidade a política de crédito fácil – e mais caro -, criando o péssimo hábito nas pessoas de comprar tudo em parcelas a perder de vista. É bem verdade que o brasileiro tomou gosto pelo consumo. Mas onde fica o planejamento financeiro[bb]?

Assim, ter algo fora do seu padrão de pagamento à vista tornou-se uma oportunidade de ouro os bancos e financeiras, que encontraram uma “mina de ouro”. De acordo com essa teoria, talvez o governo tenha criado uma armadilha contra si próprio: até que ponto o brasileiro deixará de contrair novas dívidas, já que, em teoria, as dívidas são de longo prazo e com parcelas pequenas?

Será que o consumo parcelado e através do crédito reduzirá a ponto de ter algum efeito sobre a inflação? Esta é a aposta. O ideal talvez seja buscar uma ação que incentive a formação de poupança e a criação de novos hábitos financeiros[bb], de maneira que todos entendam que o consumo indiscriminado eleva os preços e o endividamento.

Como fica a comida dos habitantes do planeta?
Na questão dos alimentos parece que qualquer ação interna será no sentido de amenizar o pior que ainda pode estar por vir, pois a tendência global ainda nos leva a crer que, com o crescimento dos países em desenvolvimento, mais pessoas terão o mínimo de condições para buscar alimentos diferenciados.

Da mesma forma que não existe nada 100% ruim – já que até das derrotas tiramos grandes lições -, quando falamos em economia também não existem situações 100% boas, já que são muitas as variáveis e suas conseqüências.

Assim, o único caminho duradouro passa pelo aumento da oferta de alimentos em nível mundial. Países como o Brasil, com grande extensão de terra para cultivo, tendem a ser os grandes motores do agronegócio assim que os países desenvolvidos compreendam que a alta dos alimentos pode se tornar assunto de segurança nacional.

E os tais subsídios? Não dá para tratar a questão dos subsídios agrícolas como uma tática nacionalista, pois, cabe ressaltar, o problema é mundial. A situação da inflação atual está muito longe da que observamos na década de 80. Aliás, alguns índices já apontam para a desaceleração em alguns setores. O dragão pode voltar a dormir (é isso que todo mundo quer), mas é grande o risco do sono ser leve. Aproveite bem o final de semana.

——
Ricardo Pereira é consultor financeiro, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários