Nélia comenta: “O blog é bacana, achei legal. Agora, tudo que você fala aqui está escrito em livros de finanças pessoais, de investimentos etc. A repetição abarrota o mercado de opções mas parece que nada surte efeito. Pode comentar isso”?

Oi Nélia, seja bem vinda. Valeu pelas palavras de incentivo. Devo confessar que adorei seu comentário e o assunto a ser debatido. Livros de finanças pessoais valem a pena? Por que será que eles são tão parecidos e há tantos deles por ai? Qual o melhor? Por que? São tantas as perguntas que posso imaginar a confusão que pode ser criada na cabeça de muitas e muitas pessoas.

A maioria das pessoas prefere ainda ignorar conceitos básicos de economia doméstica e planejamento. São os mesmos que se dizem inteligentes o suficiente para cuidar de suas receitas e despesas. Que são os mesmos que muitas vezes admitem o limite do cheque especial como parte da receita e que financiam suas faturas de cartão de crédito (aliás, aqui são quase 50% dos brasileiros com cartão). Ou seja, são os que mais precisam de ajuda.


Os livros são sim repetitivos. Ainda que eu os defina como insistentes, por muitas vezes eles soam iguais e sem conteúdo adicional. Mas é matemática e na matemática os números precisam bater e as regras (e fórmulas) são as mesmas. Todos vão abordar receitas e despesas, orçamento, juros, inflação, previdência, financiamento etc. É isso que precisa ser atacado e aprendido pela maioria do parágrafo anterior.

Logo, as opções para leitura são muitas e muitas vezes muito boas, mas o problema não é esse. O problema é ler a obra e, mesmo assim, continuar achando que ainda não é hora de se preocupar com isso, que falta tempo para tantas planilhas e contas e que você se vira bem sem tais ferramentas. É isso que a maioria faz. Lê, muitas vezes desistindo ainda nas primeiras páginas, solta um “Humpf!!!” orgulhosa e se vangloria do que já possui, sem saber que com os juros que ela paga e com o dinheiro que ‘escorre’ pelo ralo mensalmente, ela poderia ter muito mais.

Qual é então o problema? Os livros repetitivos ou a falta de insistência pessoal para com eles? Sim, existem muitos livros fracos e chatos de ler, porém para cada um destes existe um interessante e que agrega valor. Nenhuma desculpa justifica. Um abraço.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários