Home Empresas Intel se prepara para onda de US$ 100 bi de investimento nos EUA

Intel se prepara para onda de US$ 100 bi de investimento nos EUA

O governo dos EUA anunciou os recursos para a Intel sob a Lei CHIPS nesta quarta-feira, fazendo com que as ações da companhia subissem 4% nas negociações pré-mercado

por Reuters
0 comentário

 A Intel (INTC) está planejando uma onda de gastos de 100 bilhões de dólares em quatro Estados dos Estados Unidos para construir e expandir fábricas depois de garantir 19,5 bilhões de dólares em subsídios e empréstimos federais, com a empresa à espera de garantir outros 25 bilhões em incentivos fiscais.

A peça central do plano de investimento de cinco anos da Intel está transformando campos vazios perto de Columbus, Ohio, no que o presidente-executivo, Pat Gelsinger, descreveu a jornalistas na terça-feira como “o maior local de fabricação de chips de IA do mundo” a partir de 2027.

O governo dos EUA anunciou os recursos para a Intel sob a Lei CHIPS nesta quarta-feira, fazendo com que as ações da companhia subissem 4% nas negociações pré-mercado.

O plano da Intel também envolverá a renovação de instalações no Novo México e no Oregon, e a expansão das operações no Arizona, onde a rival de longa data Taiwan Semiconductor Manufacturing Co também está construindo uma enorme fábrica que espera receber financiamento do governo dos EUA para trazer a fabricação de microprocessadores avançados de volta ao país.

Os fundos fornecidos pelo plano do presidente norte-americano, Joe Biden, para um renascimento mais amplo da fabricação de chips nos EUA ajudarão muito a Intel a recuperar seu modelo de negócios.

Durante décadas, a Intel liderou o mundo na fabricação dos menores e mais rápidos chips, vendendo-os a um preço premium e aplicando os lucros em mais pesquisa e desenvolvimento para se manter à frente da concorrência.

Mas a Intel perdeu essa vantagem de fabricação na década de 2010 para a TSMC e suas margens de lucro despencaram à medida que ela reduzia os preços para manter a participação no mercado com produtos inferiores.

Gelsinger anunciou um plano em 2021 para retornar a Intel à posição de número 1, mas para tornar o plano lucrativo, ele disse que precisaria do apoio do governo. Com essa ajuda em mãos, agora é hora de a Intel investir.

Gelsinger disse que cerca de 30% do plano de 100 bilhões de dólares serão gastos em custos de construção, como mão de obra, tubulação e concreto. O restante será destinado à compra de ferramentas de fabricação de chips de empresas como ASML, Tokyo Electron, Applied Materials e KLA, entre outras.

(Imagem: Reprodução/Facebook/Intel)
(Imagem: Reprodução/Facebook/Intel)

Essas ferramentas ajudarão a colocar a unidade de Ohio em operação até 2027 ou 2028, embora Gelsinger tenha alertado que o cronograma poderá ser adiado se o mercado de chips sofrer uma queda. Além dos subsídios e empréstimos, a Intel planeja fazer a maior parte das compras de equipamentos e materiais com seus fluxos de caixa existentes.

Gelsinger já havia dito anteriormente que uma segunda rodada de financiamento dos EUA para fábricas de chips provavelmente será necessária para restabelecer o país como líder na fabricação de semicondutores, o que ele reiterou na terça-feira.

“Levamos mais de três décadas para perder esse setor. Ele não voltará em três ou cinco anos de financiamento da Lei CHIPS”, disse Gelsinger, que se referiu ao financiamento a juros baixos como “capital inteligente”.

Entretanto, mesmo com o apoio federal, a Intel precisa mostrar que pode competir com seus rivais taiuaneses e coreanos o quanto antes, disse Ben Bajarin, presidente-executivo da empresa de análise Creative Strategies.

“Será importante saber quanto tempo mais o ‘capital inteligente’ será necessário para a Intel antes que ela possa se manter por conta própria”, disse Bajarin.

De modo geral, no entanto, a Intel seria a fabricante de chips mais importante para os interesses dos EUA, mesmo com a construção de rivais no país, disse Jimmy Goodrich, consultor de tecnologia e exportação de semicondutores da RAND Corp.

“Somente a Intel tem a força de trabalho, a tecnologia e a cadeia de suprimentos que é amplamente centrada nos EUA. Portanto, embora o que a TSMC e a Samsung estejam fazendo aqui seja importante e deva ser bem recebido, também é importante ter uma equipe local forte”, disse ele.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.