Home Empresas Intel sobreviveu à tentativa de suspensão de milhões em vendas para Huawei, dizem fontes

Intel sobreviveu à tentativa de suspensão de milhões em vendas para Huawei, dizem fontes

A maioria das CPUs usadas nos laptops da Huawei ainda é da Intel, portanto, qualquer limitação adicional tornaria a oferta de laptops da Huawei bastante desafiadora

por Reuters
0 comentário

A Intel (INTB3) sobreviveu a uma tentativa de interromper centenas de milhões de dólares em vendas de chips para a Huawei, disseram duas pessoas familiarizadas com o assunto, dando a uma das maiores fabricantes de chips do mundo mais tempo para vender para a empresa de telecomunicações chinesa que é alvo de sanções.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, tem sido pressionado há muito tempo para revogar uma licença, emitida pelo governo Trump, que permite que a Intel envie processadores centrais avançados para a Huawei para uso em laptops.

A pressão veio da Advanced Micro Devices, rival da Intel, que argumentou ser injusto não ter recebido uma licença para vender chips semelhantes para a Huawei, e daqueles que tentam impedir todas as vendas dos Estados Unidos para a empresa chinesa.

A capacidade da Intel de manter uma licença para vender chips enquanto uma rival não conseguiu obter permissão semelhante demonstra o terreno irregular e incerto que as empresas enfrentam quando os EUA buscam limitar o acesso de Pequim à sofisticada tecnologia norte-americana, especialmente a uma empresa fortemente sancionada como a Huawei.

Isso também permitiu que a Huawei mantivesse uma participação pequena, mas crescente, no mercado global de laptops, enquanto a AMD foi privada de vendas no valor de centenas de milhões de dólares para a empresa chinesa sancionada, segundo dados.

“A maioria das CPUs usadas nos laptops da Huawei ainda é da Intel, portanto, qualquer limitação adicional tornaria a oferta de laptops da Huawei bastante desafiadora”, disse Emma Xu, analista da empresa de pesquisa de mercado de tecnologia Canalys.

Intel, Huawei, Departamento de Comércio e Casa Branca não quiseram comentar. A AMD não respondeu a um pedido de comentário. Descrevendo as restrições à Huawei como intimidação econômica, a Embaixada da China em Washington pediu aos Estados Unidos que “parem de exagerar o conceito de segurança nacional” para “reprimir as empresas chinesas”.

(Imagem: Huawei Brasil/ Facebook)

A Huawei, um símbolo da guerra tecnológica de anos entre Washington e Pequim, foi adicionada à lista de restrições comerciais pelo governo Trump em 2019 devido a supostas violações de sanções. A Huawei já havia negado qualquer irregularidade.

Ser adicionado a essa lista geralmente impede que os fornecedores dos EUA vendam qualquer coisa para a empresa visada.

Mas no final de 2020, pouco antes de o ex-presidente Trump deixar o cargo, o Departamento de Comércio concedeu a alguns fornecedores da Huawei nos EUA incluindo a Intel permissão especial para vender determinados itens para a gigante dos equipamentos de telecomunicações.

A AMD solicitou uma licença para vender chips semelhantes no início de 2021, depois que Biden assumiu o cargo, mas nunca recebeu uma resposta ao seu pedido, disse uma fonte.

A Reuters não conseguiu determinar por que a Intel recebeu a licença e a AMD não.

(Imagem: Reprodução/Facebook/Intel)
(Imagem: Reprodução/Facebook/Intel)

Mas o impacto nas vendas de chips de CPU para a Huawei foi imediato, com a participação das vendas de laptops da Huawei contendo chips AMD despencando de 47,1% em 2020 para 9,3% no primeiro semestre de 2023, mostrou uma apresentação interna da AMD com dados fornecidos por NPD e GfK.

A participação da Intel nas vendas de laptops da Huawei contendo seus chips aumentou durante o período, de 52,9% para 90,7%, de acordo com a apresentação.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.