Investidor brasileiro, um forte!O investidor fiel. Assim está a manchete do caderno EU & Investimentos do jornal Valor Econômico do dia 17. Havíamos comentado em um artigo recente que o brasileiro vem trazendo a Bovespa[bb] “nas costas”, impedindo que as quedas se agravem ainda mais. Através da reportagem assinada por Angelo Pavini temos números interessantes que mostram a virada da pessoa física no mercado de ações. Antes, acompanhe como o jornalista começou seu texto:

“O investidor brasileiro é, antes de tudo, um forte. É ele quem tem evitado que a Bolsa de Valores de São Paulo despenque ainda mais, comprando ações enquanto os estrangeiros batem em retirada e os fundos de pensão reduzem suas posições no mercado brasileiro.”

Vamos ver a proporção da força brasileira?
Até o início do mês, os brasileiros compraram liquidamente R$ 7,82 bilhões direto na bolsa. Outros R$ 1,35 bilhões entraram no mercado via fundos de varejo, segundo o site Fortuna. Total líquido investido pela pessoa física na bolsa: R$ 9,18 bilhões. No mesmo período, os “gringos” tiraram R$ 9,86 bilhões de nosso mercado. “Pau a pau”, como diria um amigo meu.

Lendo algumas reportagens que justificam a entrada dos brasileiros no mercado e a razão para tantos aportes, chego à conclusão de que duas coisas andam ocorrendo simultaneamente:

  1. O brasileiro está mesmo investindo em ações de forma mais consciente. Ótimo, isso significa que ele está considerando esta alternativa de investimento como parte crucial de seus planos futuros;
  2. Muitos investidores pessoa física tem investido pesado para tentar fazer um preço médio nos papéis adquiridos nos momentos de maior euforia (ano passado e este ano na chegada do investment grade).

A primeira ação é ótima para o país, pois cria um mecanismo sólido de financiamento do crescimento, ao mesmo tempo em que amadurece as exigências de quem empresta o dinheiro. Os custos de captação para as empresas ficam mais baixos e o retorno esperado para os acionistas mais interessante. Mercado de ações[bb] popular é sinônimo de surgimento de empresas, criação de empregos e fortalecimento da economia.

O preço médio é que assusta um pouco. Ezra Safra, sócio da M. Safra Investimentos, alerta que:

“As pessoas estão muito compradas em bolsa, algumas até alavancadas, compradas a termo e isso traz um risco técnico ao mercado. O risco é que a queda continue ou que o mercado fique ruim por muito tempo, e aí o preço médio vira um desastre e então haja uma onda de vendas.”

As observações do especialista são importantes, já que nem todo novato convive bem com quedas de 10% ou mais no índice (você se lembra do mês passado?). E tem mais: comprando ativos demais com o objetivo de melhorar o preço médio, o investidor[bb] acaba aumentando muito a fatia de seus investimentos em renda variável, o que não é bom. Cada um tem seu perfil e deve respeitá-lo.

Equilíbrio, investimento e futuro
A notícia de que sustentamos bravamente a bolsa brasileira me animou. Fico contente por participar desta importante revolução econômica, caracterizada pela abertura do mercado e grande participação da população brasileira. Já somos mais de 500 mil brasileiros investindo em ações. Que façamos isso sempre com bom senso, conhecimento e planejamento (saber pensar no futuro). O Brasil merece!

bb_shop = “submarinoid”;
bb_aff = “247523”;
bb_name = “fixedlist”;
bb_keywords = “pai rico,investir dinheiro,mercado de ações,cerbasi”;
bb_width = “500px”;
bb_limit = “5”;

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários