Talvez em alguma de suas visitas ao seu gerente de banco, depois de conversarem sobre investimentos, ele definiu seu perfil como sendo conservador, ou seja, que prefere obter retornos (ainda que menores) com baixíssimo risco.

Só que hoje, no Brasil, ser conservador é uma ótima opção, pois há investimentos com baixíssimo risco e com ótimos retornos! E tudo isso, por estranho que pareça, graças à crise e às altas taxas de juros utilizadas como instrumento monetário na tentativa de conter a inflação.

Por isso a educação financeira é algo tão importante, pois quem faz a lição de casa regularmente, não passa apuros em épocas de crise. Melhor ainda, além de conseguir proteger seu patrimônio, consegue aproveitar o aumento dos juros ao seu favor!

Mas voltando à definição prática de ser conservador, isso significa escolher investimentos disponíveis, que trazem rendimentos maiores que a inflação (cuidado, pois a poupança não faz isso hoje) e que ao mesmo tempo ofereçam baixo risco. E hoje temos o Tesouro Direto, que é um programa de venda de títulos públicos do Tesouro Brasileiro para pessoas físicas, como eu e você.

Os títulos públicos são instrumentos financeiros de renda fixa emitidos pelo governo federal. O objetivo do governo é obter dinheiro de qualquer pessoa ou empresa para financiar suas despesas. Ou seja, você “empresta dinheiro” ao governo e ele te devolve este montante depois de um tempo, com um adicional de pagamento de juros, que é o seu retorno do investimento.

Todos os títulos do Tesouro Direto têm uma data de vencimento, que é a data em que o Tesouro Nacional quita suas obrigações financeiras com os investidores. É o dia do resgate do valor do título. Mas isso não quer dizer que você não possa sacar seu dinheiro antes. Sim, você pode. Aliás, pode fazê-lo todos os dias úteis.

Há vantagens muito interessantes em investir no Tesouro Direto, mas muitas pessoas também tem dúvidas, como por exemplo:

  • Mas quais são os riscos do Tesouro Direto?
  • Deve-se investir pelo banco ou pela corretora?
  • O Tesouro é melhor que a poupança?
  • Qual o melhor título para você?

Pensando nisso, nós do Criando Riqueza – canal de educação financeira da Empíricus e parceiro de conteúdos do Dinheirama – montamos um relatório gratuito para responder essas e outras dúvidas, em detalhes.

Para ter acesso ao material, basta clicar aqui para ser direcionado para a página com as instruções.

Lembre-se que construir riqueza depende do seu planejamento e das suas escolhas sobre onde investir e como poupar! Bons investimentos e até a próxima!

Nota: Esta coluna é mantida pela Empiricus, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto “gold coins”, Shutterstock.

Criando Riqueza
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários