Home Carreira Por que o Investimento Anjo é um bom negócio?

Por que o Investimento Anjo é um bom negócio?

por João Kepler
0 comentário

dinheirama-post-anjoPara começar, eu diria que o investimento anjo é um bom negócio porque pode ter retorno muito acima da média, em um prazo razoável, e não precisa ter um perfil arrojado para este tipo de investimento. Por que dá retorno? Porque se você escolher certo onde colocar o dinheiro, o seu múltiplo de saída estará garantido.

Muitos investidores com investimentos e aplicações tradicionais em CDBs, bolsa e etc. Já me procuram para entender melhor o assunto e começam a pensar em inserir esta opção nas carteiras de investimentos, ou seja, investir também em negócios inovadores, nas chamadas Startups.

O Investimento Anjo pode ser definido como apoio em negócios no seu estágio inicial, mentoria, aconselhamento, fornecimento de infraestrutura, suporte, networking, tempo, dedicação e dinheiro suficiente para manter o Projeto e o Plano de Negócios.

Na prática, é muito mais do que isso. Trata-se do aval e do “ombro amigo” que o empreendedor precisa para levar seu sonho adiante e, claro, também o suporte para sistematizar o investimento financeiro a título de “cash-in”, com finalidade de suprir necessidades mensais em troca de um percentual do negócio.

O mercado começou a olhar com mais atenção para o Investimento Anjo porque está ouvindo a grande repercussão desse movimento, através de cases de sucesso de Startups de destaque no Brasil e no mundo e através de oportunidades que a entidade Anjos do Brasil, que congrega Investidores Anjos, tem proporcionado.

Segundo estudo da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), em mais de 30 países os Investidores Anjo têm um papel crítico e importante no sucesso das empresas iniciantes.

Isso significa dizer que, além de investimento com retorno, ainda trata-se de uma ação social no sentido de fomentar e ajudar a realizar sonhos e projetos de milhões de empreendedores e ainda, por tabela, ajudar a sociedade com as soluções que esses negócios proporcionam.

Ganhamos todos com este tipo de investimento:

  • O Estado, que fomenta a abertura de novas empresas, arrecada mais e diminui o índice de desemprego;
  • Os empreendedores, que vão ter mais apoio financeiro;
  • E, obviamente, os investidores que terão retorno pelo que investiram e ainda poderão ter deduções no que pagam de impostos, pois existe um Projeto de Lei (54/2014) neste sentido que pretende deduzir 20% (com limites) no Imposto de Renda do investidor. O objetivo declarado deste Projeto é possibilitar o ingresso de novos recursos para as empresas inovadoras com alto potencial de crescimento.

Mas atenção, fazer investimento Anjo é mais do apenas colocar apenas dinheiro nas empresas, é “Smart Money”, que significa dinheiro agregado a capital intelectual e apoio. Um Investidor Anjo é um “paitrocinador” e, portanto, deve dedicar tempo e se possível “pegar na mão” do empreendedor em todos os sentidos.

É um investimento intangível e de risco, sim, mas um risco moderado, previsível, de feeling ou calculável. É mais simples saber se um negócio pode dar certo pela percepção antecipada de aderência do projeto ao mercado, do que saber se as ações de uma empresa irão subir ou cair, por exemplo.

Quem são os Investidores Anjo no Brasil?

São pessoas físicas que investem capital próprio entre R$ 50 mil e R$ 500 mil reais. Entre 2012 e 2013, o total investido pelos anjos chegou a R$ 619 milhões, um aumento de 25% em relação ao ano anterior.

São 6.450 pessoas físicas, cada um aplica em média R$ 96 mil por projeto; O detalhe curioso é que 80% dos anjos não vão atrás dos projetos, investem apenas quando são procurados pelos empreendedores.

Ainda é pouco se comparado com os mais de US$ 20 bilhões dos 319 mil investidores anjos americanos, mas é significativo se considerarmos o pouco tempo de divulgação do conceito de investimento anjo no Brasil.

Na minha opinião, nada se compara à emoção e à sensação de investir em negócios que resolvam algum problema e que possa ser útil à sociedade. Se isso vem agregado a um valuation decente e valorização do capital investido, ou uma remuneração do dinheiro maior do que o retorno nos investimentos tradicionais, melhor ainda. É nesse momento que as coisas dão certo e que os Anjos dizem “Amém!”.

Por onde começar? Como se tornar um Investidor Anjo? Associe-se à entidade Anjos do Brasil – acesse www.anjosdobrasil.net –, procure por um Clube de Anjos ou converse com um Investidor com experiência neste tipo de investimento. Bem-vindo ao time! Até a próxima.

Foto Shutterstock. Angel wings isolated on the black background.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.