Se existe um negócio arriscado para se fazer com o seu dinheiro é se aventurar abrindo o seu negócio próprio. Os desafios são vastos: concorrência pesada, burocracia, riscos de toda espécie. No atual cenário de negócios ouvir falar de Investimento Anjo e Startups é algo bastante comum. Mas você sabe como tudo funciona e, principalmente, como você pode tornar o Investimento Anjo e as Startups em retorno financeiro?

Startups: o básico e a prática

As startups desafiam tudo que já existe no mercado tradicional, por isso muitas vezes os seus produtos ou serviços requerem uma mudança de cultura, na forma de pensar das pessoas, o que nem sempre é fácil. Muitas startups oferecem produtos ou serviços a custos bastante menores devido a uma estrutura enxuta e maior uso da tecnologia, e ficar por dentro das diversas possibilidades do mercado é muito importante se você quiser tirar vantagem e economizar.

Para começarmos a explicar o que são startups, precisamos dizer que nem toda empresa que esteja entrando na sua área de atuação é uma. Algumas características são fundamentais para esta definição. Inicialmente, uma startup pode ser definida quando há a reunião de uma equipe com talentos diferentes visando ao desenvolvimento de um produto ou serviço inovador. Veja bem, o primeiro ponto é que é preciso inovar, modificar o status quo, ser disruptivo.

Startups normalmente também têm uma forma diferente de lidar com a velocidade das coisas e uma necessidade de testar todo produto ou serviço muito rapidamente, sem receio de ter que recomeçar ou mudar o tempo todo o que for necessário. Uma vez que esteja tudo dando certo, elas replicam o que foi desenvolvido com custos de operações que se tornam mais baixos conforme a escala aumenta. A tecnologia certamente é uma aliada quanto a isso.

Investimento Anjo: o básico e a prática

O investimento anjo nada mais é do que a alocação de recursos em startups: empresas criadas e geridas, desde a sua fundação, para crescerem exponencialmente e se tornarem grandes empresas.

Segundo João Kepler, grande referencia na área de investimento-anjo e Startups, ” O Investimento Anjo pode ser definido como apoio em negócios no seu estágio inicial, mentoria, aconselhamento, fornecimento de infraestrutura, suporte, networking, tempo, dedicação e dinheiro suficiente para manter o Projeto e o Plano de Negócios.

Na prática, é muito mais do que isso. Trata-se do aval e do “ombro amigo” que o empreendedor precisa para levar seu sonho adiante e, claro, também o suporte para sistematizar o investimento financeiro a título de “cash-in”, com finalidade de suprir necessidades mensais em troca de um percentual do negócio.”

Estima-se que apenas 10% dos novos produtos das startups seja bem sucedido. Esta baixa probabilidade de sucesso se traduz em um risco muito grande para investidores e fundadores. Um investimento-anjo de excelência pode proporcionar retornos a investidores, fundadores e para a sociedade como um todo.

Como o tema é de grande importância, o Conrado Navarro gravou um vídeo comentando sobre as práticas de Startups e Investimento-Anjo. Assista e participe do debate.

Até a próxima.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários