Dinheiro e a vida pessoal!Como sempre saliento, manter uma relação saudável com o gerente bancário é um ótimo “investimento”. Semanas atrás, tive a oportunidade de debater uma nova regulamentação, aprovada pela Anbid no início deste ano, que prevê, por parte dos bancos, maior transparência e auxílio ao investidor[bb] pessoa física. Em poucas palavras, o cliente deve ser melhor informado sobre os fundos que contrata, seus riscos e detalhes mais “íntimos”.

Na conversa, entendi que os próprios bancos reconhecem que muitos de seus gerentes não estão devidamente preparados. O problema – e a razão da minha preocupação – é que em situações deste tipo o cliente é tratado de forma indevida e suas dúvidas de investimento[bb] mal conduzidas. Prejuízo futuro quase certo. A transparência exigida pela Anbid vem em boa hora e passa a valer este mês. Entenda o que muda:

  • Os bancos terão que manter uma central de atendimento para os investidores separada daquela que presta serviços gerais de conta corrente;
  • Os sites dos bancos deverão ter, obrigatoriamente, um espaço exclusivo para detalhar as políticas de cada fundo de investimento;
  • Os bancos de varejo terão de colocar nas agências cartazes orientando os investidores sobre os fundos que oferecem;
  • Uso de um questionário, ainda a ser aperfeiçoado até o final do ano, para definir o perfil de investimento de cada cliente;
  • Para os gerentes, os bancos terão que manter uma central interna de informações e atendimento.

Em recente entrevista ao jornal Valor Econômico, o presidente da Anbid Alfredo Setubal afirmou que ficou indignado com a reportagem do mesmo jornal publicada em janeiro deste ano, quando as jornalistas Daniele Camba e Luciana Monteiro visitaram algumas agências de São Paulo perguntando sobre como aplicar em fundos de ações um valor de R$ 50 mil.

As respostas? Alguns gerentes disseram que seus bancos não ofereciam fundos de ações. Outros preferiam indicar fundos de previdência para investidores de curto prazo (hein!?). Ah, que tal saber que o risco de um fundo de ações Vale compreendia a possibilidade da empresa “ser privatizada”? Se a desinformação do lado do cliente é perigosa, imagine o estrago que ela pode fazer surgindo do lado de lá da mesa.

Melhoria bem-vinda!
Confesso que fiquei muito satisfeito com a sinalização da Anbid. Meu otimismo nunca foi segredo e agora resta observar (cobrar) os bancos e a atitude de seus gerentes e atendentes. No entanto, o pé no chão me mantém alerta. Fica a dica: confie em seu gerente, mas antes de assinar um contrato ou autorizar um investimento[bb], informe-se sobre os produtos que ele recomenda.

Uma idéia simples pode guiá-lo dentro de uma agência: sente-se diante do responsável por sua conta e peça sua opinião acerca da nova regulamentação da Anbid. Assim, ele exercita de forma plena sua profissão e você pega detalhes importantes sobre as alternativas. Como resultado, você passa a tomar cada vez melhores decisões. Que tal?

bb_shop = “submarinoid”;
bb_aff = “247523”;
bb_name = “fixedlist”;
bb_keywords = “cerbasi,investir,Bolsa de Valores,dinheiro”;
bb_width = “500px”;
bb_limit = “5”;

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários