Se eu tivesse outras convicções políticas – felizmente não tenho -, diria que nunca na história deste país houve visibilidade tão baixa sobre investimentos. À frente, um grande evento capaz de mudar tudo para suas aplicações.

Todos querem saber: quem ganhará as eleições? Se for Dilma, então teremos queda dos ativos de risco. Se for Aécio, é o contrário. Se Marina, a verdade é que, aos níveis atuais de preço, ninguém sabe – muita incerteza ainda cerca seu potencial mandato.

O mercado gosta mais de Marina do que de Dilma, mas gosta o bastante para continuar comprando ações aos preços atuais? Como investir nesse quadro? Não é fácil. Decisões equivocadas podem resultar em grandes prejuízos financeiros. Se você ficar muito otimista e der Dilma, então verá grande destruição de patrimônio.

Em contrapartida, se assumir postura excessivamente defensiva, pode assistir a um grande rali passar à sua frente, no caso de êxito da oposição. Ninguém sabe o que vai acontecer. Qualquer afirmação contrária é charlatanismo.

A pergunta de um milhão de dólares: como se posicionar se eu não sei o que vai acontecer?

Aqui está a beleza da estratégia talebiana, exatamente aquela que nós seguimos. Enquanto a maior parte dos analistas e economistas segue a tradição das Finanças Modernas, em que basicamente tenta-se pasteurizar a incerteza e fazer o futuro caber numa planilha de Excel, Taleb propõe o contrário: usar a incerteza e a volatilidade a seu favor.

“How to live in a world we don’t understand?”, é a pergunta que Taleb costuma fazer. Ou, como viver num mundo que não entendemos? Em vez de adivinhar o futuro, o sujeito se posiciona de forma que perca pouco no caso do cenário negativo e ganhe muito no quadro positivo.

Dá-se o nome de antifragilidade à essa estratégia. Temos provido nossos clientes com recomendações antifrágeis há anos, de forma muito bem sucedida. Essa filosofia é o cerne da Carteira Empiricus (clique para detalhes) e tem se mostrado um sucesso teórico e prático, superior a qualquer outro instrumental analítico.

Falo isso porque ela requer a menor arrogância epistemológica. Você simplesmente reconhece sua ignorância em relação ao futuro, opaco por natureza. E também porque, de fato, a Carteira Empiricus tem oferecido resultados interessantes. Não há como brigar com a estatística.

Mas o que é a Carteira Empiricus exatamente? Um guia completo, atualizado semanalmente, com a montagem de um portfólio que consideramos mais adequado para o momento. Um relatório que diz exatamente quanto você deve ter de ações, renda fixa, câmbio e imóveis, e quais ativos comprar em cada um dos mercados.

É tudo que você precisa para seus investimentos, portanto. Trata-se de nosso relatório mais completo, cujo objetivo é superar o CDI com alguma folga. Esse é o benchmark apropriado para o portfólio, pois representa, grosso modo, o custo de oportunidade do capital – ou seja, queremos ganhar da inflação e também de alternativas mais diretas de investimento.

Em agosto, a Carteira Empiricus acumula +1,78%, representando 241% do CDI. Nos últimos três meses, o placar é de 4,62% contra 2,52% em nosso favor – uma diferença significativa que, em nosso entendimento, tende inclusive a aumentar.

Tudo sob o devido gerenciamento de risco, sendo a regra primordial a proteção do patrimônio: jamais perder dinheiro. Por isso, sempre sugerimos uma boa alocação em dólar e em renda fixa. Para saber exatamente quanto, fica o convite para conhecer mais sobre o assunto e sobre nosso trabalho.

Nota: Esta coluna é mantida pela Empiricus, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto “Investment strategy”, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários