Investir primeiro em você é o melhor para seus filhosÉ muito comum encontrarmos pais dispostos a todos os sacrifícios em nome de um futuro melhor para os filhos. Estão dispostos a economizar, criar uma poupança pensando em propiciar estudos e bem estar. Mas qual será a melhor estratégia para isso? Vou além: será que, ao optar por esse caminho, os pais estão fazendo a coisa certa? A reflexão tem como foco o aspecto familiar e financeiro, o que complica bastante a tentativa de responder tais perguntas.

A grande maioria dos aposentados brasileiros depende de outros para manter o padrão de vida. Na melhor das hipóteses, alguns deles têm que continuar trabalhando – felizes os que têm saúde para tal. Acredito que pensar exclusivamente no bem estar dos filhos não deva ser a melhor estratégia[bb] para o futuro da família. Tudo indica que no futuro o filho precisará dispor de muitos recursos para manter ou bancar a sobrevivência de seus pais. Já tinha pensado nisso?

Educação financeira, um presente de pai para filho.
Pensar no futuro dos filhos não significa apenas guardar dinheiro. Certamente, será muito mais produtivo e inteligente ensinar os filhos as grandes lições oriundas da educação financeira: não gastar mais do que ganha, consumir com consciência, gerenciar suas receitas/despesas, planejar suas decisões, investir e, principalmente, trabalhar pela realização dos sonhos.

É verdade que a vida passa rapidamente. Mas é importante considerar que, com o avanço da ciência, o ser humano viverá mais tempo. Viver mais tempo só poderá ser considerado um benefício se pudermos atingir esses novos patamares com qualidade de vida, oportunidades para viver bem, com felicidade[bb] e dignidade.

Sabendo que você vai ficar velho e que garantir apenas o futuro dos filhos não significa garantir seu bem-estar na melhor idade, parece razoável acreditar que é muito mais sensato pensar em cuidar também da sua vida financeira, enquanto não mede esforços pela construção do patrimônio familiar.

Previdência pública e despesas de saúde, itens importantes no futuro.
Se ainda não está convencido, dois importantes dados podem ajudá-lo a compreender a mensagem do artigo de hoje. O primeiro diz respeito à Previdência Social: mais cedo ou mais tarde o país precisará de uma reforma que garanta o mínimo de funcionamento para o sistema. O déficit, diferença negativa entre os recursos disponíveis e o pagamento dos benefícios, só aumenta.

Em suma, o trabalhador precisará trabalhar e contribuir mais para ter um benefício mínimo. É esse o futuro de quem não trabalhar sua aposentadoria de forma independente. Outro dado não menos importante é um exercício lógico e natural: com o avançar da idade, as pessoas precisam de mais cuidados médicos. Todos sabem que a saúde pública no Brasil ainda é extremamente precária.

Justamente na idade em que os cuidados médicos serão mais necessários e urgentes, contar com a saúde pública poderá significar dificuldades. A mensagem é clara: quem não pensar, planejar e criar um futuro financeiro equilibrado, seguro, não terá condições de bancar os gastos com a saúde[bb], dentre outras despesas. Será mais um que estará nas filas intermináveis por exames, consultas, atendimento etc. Você não merece passar por isso.

Seu futuro é sua responsabilidade.
Sou pai. Hoje mais do que nunca, tudo que quero é o melhor para minha filha. Aos poucos percebi que o melhor pra ela é garantir, no decorrer do tempo, uma vida feliz, estável e próspera para mim e minha esposa. Desta forma, sua juventude e os passar dos anos serão tranquilos, bem como nosso futuro. Ela poderá viver sem se preocupar em propiciar o mínimo de conforto para os pais, afinal esse dever é meu e não dela.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários