Investir tempo, energia e esforço por uma boa negociaçãoValdemar Engroff comenta : “Ricardo, é lamentável quando, em certas grandes redes (pelo menos aqui no Rio Grande do Sul é assim), se pretende fazer uma compra à vista e não há o devido desconto. A primeira proposta é sempre o parcelamento em 10 ou 12 vezes SEM JUROS. Em termos legais e de direito do consumidor, o se pode fazer neste caso? O jeito é mesmo pechinchar?”

Esse é o típico caso em que as lojas de departamento e as grandes redes mostram qual é o seu verdadeiro negócio. A venda de carnês (leia-se dinheiro[bb]) e o ganho auferido com esse negócio é o que motiva as lojas a oferecer sempre a opção de venda a prazo. Aparentemente, não há nada de errado com a “oferta”, mas quando ela é tentadora e parcelada em inúmeras vezes torna-se perigosa.

Sob o aspecto legal, acho melhor buscar orientação nos órgãos de defesa do consumidor, como o Procon de sua cidade ou mesmo o Idec ( Instituto de Defesa do Consumidor). Entretanto, a oferta é lícita e não fere seu direito de negociar – particularmente acredito que a força do consumidor deve se dar de outra forma, com energia, negociação e uma dose de perseverança.

Primeiro, brigue pelo desconto. Sempre!
A lógica diz que se o preço a vista é o mesmo do preço parcelado, existe margem (muita margem) para negociar e conseguir o bom e velho desconto. Muito provavelmente ao pedir o desconto ao vendedor, este o negará e fará de tudo para dissuadi-lo da possibilidade de comprar à vista.

Nessa hora, vale a pena colocar em prática a pesquisa em outros lugares, que servirão de argumentação. Mais, se o desconto não foi concedido, passe para uma abordagem mais contundente, agressiva, mas sempre educada e séria (interessada): solicite a presença do gerente e insista!

Então explique, critique e apresente as suas propostas.
Quando o gerente chegar, aja de forma firme e explique que fez uma boa pesquisa de preços e conseguiu identificar outros locais com melhores condições comerciais. Passe, então, a valorizar seu relacionamento com a loja, explicando que, como cliente da loja, gostaria de obter mais vantagens no valor do bem desejado.

Jogue ao gerente a responsabilidade de explicar porque o valor à vista é o mesmo do valor parcelado. Negocie e mostre que você sabe que há margem para concessão do desconto. Mostre-se controlado, mas decidido a sair da loja de mãos abanando – e faça isso se for preciso.

A prática demonstra que a firmeza e a contundência, aliadas à informação e educação, são, nessa hora, responsáveis para o sucesso[bb] e a eficiência na solicitação dos descontos e nas boas negociações. Deixe a preguiça de lado.

Portanto, fuja do parcelamento. Pague à vista!
Se a conversa não der em nada e a loja se mostrar realmente irredutível, use a maior arma existente em um país que valoriza o livre comércio: procure outra loja. Considere avaliar os preços e condições de compra também na Internet, porque muitas empresas oferecem desconto à vista no boleto e frete grátis. Muitas mesmo.

Com certeza encontrará bons negócios na loja ao lado ou no site de comércio eletrônico que seu amigo indicou. O importante é ter consciência que, nesse momento, o pior seria pagar um alto preço ou parcelar, usando o crédito, simplesmente por falta de coragem e iniciativa.

Pequenos valores, grandes negócios!
A importância que pequenos valores ganham, se bem empregados no decorrer do tempo, mostra como a barganha e a busca por desconto precisam se tornar hábitos no Brasil. Atualmente, poucas pessoas se atrevem a lutar pelo seu futuro financeiro, optando apenas pela satisfação imediata.

Pois é, em geral somos despreparados financeiramente. Mas o pior não é isso. O desinteresse é que muito me desanima. Se precisamos mudar, o que estamos esperando? Aqueles que possuem sucesso financeiro[bb] e chegaram à independência criaram esse hábito importante e fazem dessas lições diferenciais de sucesso.

Não espere mais. Agora é com você. Vamos transformar o Brasil com nosso exemplo? Utilizem o espaço de comentários para compartilhar suas experiências em busca do descontos. O que funcionou? Que idéia tem para negociar melhor? Seja o resultado positivo ou não, só o fato de dividirmos as lições mostrará nossa força. Até a próxima!

——
Ricardo Pereira
é educador financeiro e palestrante, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.

Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários