Recentemente o Dinheirama publicou um texto sobre a controvérsia entre morar de aluguel e financiar um imóvel, mostrando o lado mais polêmico, que é morar de aluguel e usar a diferença entre o preço do aluguel e do financiamento (que pode ser mais caro) para investir e multiplicar seu dinheiro mais rápido.

A ver pelos comentários dos leitores, uma coisa que já sabemos foi mais uma vez confirmada: o brasileiro gosta de investir em imóveis.

Mas precisamos considerar algumas coisas na escolha do imóvel. Há muitas variáveis que podem inviabilizar seu investimento no futuro e fazer com que ele se torne um mico em sua mão. Sabemos ainda que na prática, a operação de compra e venda de um imóvel não é feita da noite para o dia, por conta do tempo de negociação, certidões e documentos que devem ser levantados junto à prefeitura local, acerto de comissão com o corretor de imóveis, dentre outros fatores.

Sempre há uma burocracia envolvida, que resulta em menor liquidez do investidor (se comparada a investimento em ações ou títulos públicos, por exemplo). Trata-se de um processo certamente mais complicado do que simplesmente comprar e vender um bem de menor valor, como um automóvel.

E se for possível comprar apenas parte de um imóvel?

Pois bem, acredite ou não, isso não só é possível, como já acontece no mercado brasileiro há muitos anos. Com o objetivo de atrair investidores para o setor imobiliário, foram criados alguns mecanismos para isso, permitindo que um investidor individual, com um valor mínimo de R$ 100,00 possa tomar a decisão de investir indiretamente em um ou mais imóveis que atendam às suas exigências.

O melhor é que há remuneração periódica e com isenção de imposto de renda!

Em outras palavras, você tem a possibilidade de aplicar uma quantia modesta de dinheiro, e fazer com que ela renda para você periodicamente um valor de volta (similar a um aluguel), baseado na renda que os imóveis geram, sem ser taxado pelo fisco.

Obviamente que estas opções de investimentos são bem regulamentadas por parte da BM&F Bovespa e da CVM, justamente para proteger o patrimônio do investidor e do mercado como um todo.

E se eu me arrepender de ter comprado?

Diferentemente da compra de um imóvel, este tipo de investimento pode ser facilmente desfeito, e de forma quase imediata.

Para tal basta que o investidor coloque uma ordem de venda  junto à sua corretora, via homebroker ou via telefone. E isto pode ser feito no mesmo dia que o investidor tiver comprado sua cota, por exemplo. Ou seja, a liquidez que este tipo de investimento oferece é infinitamente maior do que a liquidez inerente à compra e venda de um imóvel de forma tradicional.

Então é possível começar com pouco dinheiro?

Com certeza. É isso que vamos te explicar em detalhes em um Relatório Especial gratuito que montamos, sobre Como Investir em Imóveis com 5 mil reais.

Para acessá-lo agora, basta clicar aqui para ser direcionado para a página com as instruções de acesso.

Bons investimentos, e até a próxima!

Nota: Esta coluna é mantida pela Empiricus, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto “mortgage”, Shutterstock.

Empiricus Research
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários