IPI para linha branca e móveis tem elevação menor que previstoO ministro da Fazenda Guido Mantega anunciou na última quinta-feira que as alíquotas do IPI para itens da linha branca e móveis foram parcialmente recompostas para o período dos próximos três meses.

Assim, as taxas não voltarão aos seus valores originais como era previsto pelo governo, o que resultará numa renúncia fiscal de R$ 307,5 milhões. A medida deve gerar receita tributária de R$ 118 milhões para os cofres públicos, segundo cálculos da Receita Federal.

Mantega ainda declarou que, por questões fiscais, não há mais espaço para desonerações e que em setembro, quando o período acabar, irá reavaliar se as alíquotas do IPI para esses setores voltarão ao patamar normal. “Não temos condições fiscais para aumentar as desonerações neste momento”, afirmou Mantega.

O que mudou?
A elevação do IPI atingiu nove categorias de produtos: fogão, tanquinho, refrigerador e congelador, máquina de lavar roupas, móveis, painéis, luminárias, laminados e papéis de parede.

Os produtos da linha branca apresentavam taxas entre 2% e 10%, com o reajuste ficarão entre 3% e 10%. As alíquotas originais variavam de 4% a 20%. O segmento de móveis, por sua vez, registrava alíquotas entre 2,5% e 10%, mas a partir de julho irá variar entre 3% e 15%. Os valores originais ficavam entre 5% e 20%.

Segundo o ministro, houve um acordo entre o governo e os empresários para que o reajuste do imposto não seja repassado para o preço dos produtos. “O varejo e setor produtor farão um esforço para acomodar aumento de alíquota nos preços atuais de modo a não prejudicar as vendas e não aumentar a inflação”, disse ele.

Mantega ainda comentou que irá estudar formas de conter o aumento de preço nas matérias-primas, motivo de queixas dos empresários do setor.

A economia caminha devagar
Durante o pronunciamento, Mantega não quis comentar a mudança na previsão de crescimento do PIB de 3,1% para 2,7% em 2013 do Banco Central (BC). O ministro apenas disse que o governo precisa unir esforços para viabilizar um crescimento de 3% neste ano.

Mais do que prever um crescimento mais baixo, o BC projetou inflação mais alta, de 6% em 2013, se a taxa de juros ficar estável em 8% ao ano. A última previsão era de inflação de 5,4%.

“O importante para nós é que as metas de inflação estabelecidas não sejam ultrapassadas. Mesmo com essa previsão que o BC faz significa que estaremos dentro do teto da meta mais um ano consecutivo”, ressaltou Mantega.

Fontes: EXAME | Folha. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários