IPI reduzido: carros ficam mais baratos até dezembro deste anoNa noite do último sábado (30) foi anunciada pelo Ministério da Fazenda a prorrogação da alíquota reduzida do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para automóveis até dezembro. O incentivo visa ajudar o setor automobilístico a manter os níveis de produção e de emprego até o fim do ano.

O aumento do IPI estava programado para ocorrer hoje, mas em nota oficial o Ministério da Fazenda alegou que a medida foi imposta para estimular o mercado interno. “Com essa medida, o governo não só estimula o setor automotivo, um dos principais motores da economia, como toda a cadeia automobilística, como as indústrias de autopeças, de estofamento e de acessórios”, informou.

A indústria automobilística representa 5% do PIB (Produto Interno Bruto) nacional e, segundo assessoria do Ministério da Fazenda, a medida representa uma renúncia fiscal adicional de R$ 2,2 bilhões de abril a dezembro de 2013 em relação ao que já estava programado. Esta precaução se mostra importante visto o baixo desempenho das vendas no primeiro trimestre de 2013.

Aqui no Dinheirama publicamos dois artigos sobre o assunto: os carros mais vendidos em fevereiro e os carros mais vendidos na primeira quinzena de março. Neles, é possível notar a queda de vendas quinzenais a partir do fim do ano passado.

Entre maio e dezembro de 2012, o governo reduziu o IPI dos veículos flex de até mil cilindradas de 7% para zero. No primeiro dia deste ano, a alíquota dessa categoria subiu para 2% e deveria subir para 3,5% a partir de hoje, 1º de abril, voltando aos 7% originais em 1º de julho.

Os veículos flex de mil a 2.000 cilindradas tinham programação parecida. Para eles, a alíquota do IPI caiu de 11% para 5,5% até 31 de dezembro, subiu para 7% em 1º de janeiro e deveria ir para 9% nesta segunda-feira. Para veículos a gasolina, o IPI original saiu de 13% para 6,5% entre maio e dezembro do ano passado, foi para 8% em 1º de janeiro e a previsão anterior é de que chegaria a 10% a partir desta segunda-feira.

No caso dos veículos utilitários, a alíquota de 8% ficou em 1% até dezembro, subiu para 2% em janeiro e deveria ir para 3%, se o governo mantivesse a programação anterior de aumento do IPI.

A medida pode ser vista como uma maneira de tentar manter o bom número de funcionários empregados pela indústria automobilística. O setor automotivo contratou 1.819 trabalhadores em janeiro e fevereiro deste ano, segundo a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores).

Segundo informações publicadas pelo jornal O Estado de S. Paulo no último sábado (30), a indústria conta com 131,7 mil trabalhadores e está perto de atingir seu recorde histórico em número de funcionários – 133,6 mil em fins de 1980.

Ademar Cantero, diretor de relações institucionais da Anfavea, lembrou que no início do ano passado o setor apresentava queda nas vendas de carros, mas teve o movimento revertido depois do anúncio da redução do IPI.

“O governo adotou a redução do IPI, as montadoras também reduziram os seus preços e o crédito foi destravado. Em função desse conjunto de medidas, no ano passado conseguimos inverter essa curva para um crescimento de 4,5% no mercado”, afirmou.

Como ficam as cidades?

A redução do IPI promove a procura por novos carros no mercado e, consequentemente, impulsiona o número de automóveis que circulam nas grandes cidades. Atualmente, o país conta com mais de 43 milhões de automóveis em circulação, sendo que a maioria absoluta desses carros se concentra nas regiões metropolitanas.

Como bem sabemos, a infraestrutura dessas grandes cidades deixa a desejar, como também como aponta André Trigueiro, do blog Mundo Sustentável. Em sua análise, ele questiona a medida de prorrogar o IPI reduzido até dezembro a fim de manter a economia aquecida. Vale a leitura.

Como você vê esse incentivo implementado pelo Ministério da Fazenda? Deixe sua opinião nos comentários.

Fonte: R7. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários