Home Empresas JHSF recua mais de 6% após embargo de obras em empreendimento em Porto Feliz (SP)

JHSF recua mais de 6% após embargo de obras em empreendimento em Porto Feliz (SP)

A incorporadora também justificou a natureza autônoma de cada projeto e suas localizações separadas, o que, segundo a JHSF, "torna lógico e evidente o sequenciamento dos licenciamentos emitidos"

por Reuters
0 comentário

As ações da incorporadora JHSF (JHSF3) recuavam mais de 6% nesta sexta-feira, após a Justiça de São Paulo determinar o embargo de todas as obras e atividades da empresa no megacomplexo Boa Vista, em Porto Feliz, interior do Estado de São Paulo.

Conforme o processo, que tramita na 2ª Vara do Foro de Porto Feliz, o embargo é resultante de uma ação civil pública movida pelo Ministério Público do Estado de São Paulo, que alega várias irregularidades e problemas identificados durante o processo de licenciamento ambiental e construção desses empreendimentos.

A ação questiona o fracionamento dos estudos de impactos ambientais dos empreendimentos da JHSF na região, afirmando que houve omissão dos poderes públicos acionados “que emitiram diversas e indevidas autorizações e licenciamentos fracionados, sem conjuntar o impacto global do megaempreendimento”.

Na decisão, emitida pela juíza Raisa Alcântara Cruvinel Schneider, é determinado o cessar de qualquer obra ou atividade correlatas no local, com a proibição de novas intervenções até que seja elaborado um licenciamento ambiental único que envolva todo o complexo.

Em fato relevante, a JHSF afirmou que seus empreendimentos Fazenda Boa Vista, Boa Vista Village e Boa Vista Estates foram submetidos “de forma transparente e tempestiva aos devidos processos” de estudo de impacto ambiental e licenciamentos por meio dos órgãos competentes.

A incorporadora também justificou a natureza autônoma de cada projeto e suas localizações separadas, o que, segundo a JHSF, “torna lógico e evidente o sequenciamento dos licenciamentos emitidos”.

Às 12h24 (horário de Brasília), as ações da incorporadora recuavam 6,56%, a 4,27 reais cada. No pior momento na sessão, o papel chegou ao valor de 4,20 reais.

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.