Guardar dinheiro - ImportanteO que é melhor: financiar ou investir? “Ah Navarro, que pergunta”. Ué, se a pergunta é tão óbvia por que é que vejo tantas pessoas por ai financiando quase tudo que encontram pela frente? Humm, parece mais um caso “faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço”, típico quando o assunto é dinheiro. Temos muitos gênios do dinheiro por ai, mas isso eu já falei em outro artigo. Aqui a questão é puramente matemática.

Uma simples análise será o meu plano didático. A regra para o exemplo é simples: poupar e investir o valor equivalente às prestações e analisar em quanto tempo é possível ter o dinheiro para compra do que você deseja. Assim você vai notar quanto a mais você pagaria se optasse por um financiamento. É algo tão fácil de fazer que você vai ficar com vergonha da preguiça que surge nessas horas.

Se você quer comprar uma TV que custa R$ 2000,00 (à vista) e não tem o dinheiro todo, o que você faz? Vai pelo conhecido caminho das “suaves prestações” certo? Ótimo. A loja oferece o pagamento em 12 prestações de R$ 230,00. O valor total a pagar já saltou para R$ 2760,00 ao final dos 12 meses. Partindo do óbvio pressuposto de que se você tem o dinheiro para pagar as prestações, então tem o dinheiro para poupar, vamos para uma nova tentativa.

Experimente colocar estes mesmos R$ 230,00 todo mês na Caderneta de Poupança. Supondo um rendimento mensal de aproximadamente 0,5%, em 9 meses você terá R$ 2.111,89. Dinheiro suficiente para comprar a TV à vista. E este preço ainda pode ser negociado. O que vai ser? A birra para ter tudo agora (pagando caro) ou a inteligência e paciência (pagando o justo) para ter tudo um pouquinho depois?

Mas e as tais prestações sem juros? Isso só existe nos seus sonhos e no papo do vendedor. Se o produto anunciado tem seu valor parcelado igual ao valor à vista, isso significa que os juros já fazem parte do preço. Pagar à vista ou a prazo significa mais dinheiro nos cofres da loja e mais um ótimo cliente no cadastro. “Se o preço é igual, então não é melhor pagar parcelado”? Claro que não. O ideal é negociar o valor à vista do bem, tirando os juros embutidos e garantindo um bom desconto. E lembre-se de forçar até chegar ao gerente, onde o preço começa a ficar bom.

Escuto sempre desculpas esfarrapadas, tipo “juntar dinheiro é difícil”, ou ainda “preciso disso agora”. Alguma delas faz sentido pra você? Quando ouço isso, imagino a pessoa dizendo: “trabalhei duro este mês, mas eu gosto daquela loja e vou ajudá-los dando uma boa parcela da minha grana pra que eles possam crescer mais”. Bullshit. E se a loja não conceder nenhum desconto à vista, agradeça e saia de mãos abanando. Procure um pouco mais. Seu bolso agradece.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários