O Comitê de Política Monetária (COPOM) do Banco Central decidiu, em reunião finalizada nessa quarta-feira, manter a taxa básica de juros em 14,25% ao ano. Foi a primeira definição sobre juros com o novo presidente do BC, Ilan Goldfajn. A decisão foi unânime entre os integrantes do comitê.

Na reunião anterior, de 8 de junho, já sob o governo do presidente interino, Michel Temer, o BC ainda era comandado formalmente por Alexandre Tombini, embora o nome de Goldfajn já tivesse sido aprovado no Senado, como determina a lei.

Faz exatamente um ano que a taxa está nesse nível. Em julho de 2015, ela subiu de 13,75% para 14,25%. Nas oito reuniões seguintes do BC, os juros ficaram no mesmo patamar.

Leitura recomendada: O enigma dos juros: por que eles são tão altos no Brasil?

Juros altos: onde investir?

Boa parte dos analistas do mercado já começam a avaliar que a trajetória de juros começará a cair em breve. De acordo com o boletim Focus divulgado nessa semana, a expectativa de inflação para o ano está em 7,26%; já em 2017, está na casa de 5,30%, já dentro da flutuação (mais ou menos 2%) em torno da meta de 4,5%.

Se a queda da inflação é o primeiro sinal de que os juros poderão começar a cair, muita gente já começa a especular sobre quais serão os melhores caminhos para investir quando isso acontecer.

Um destaque importante é que quando falamos em queda dos juros, não significa dizer que os juros chegarão a um patamar efetivamente baixo. Como exemplo, para o final de 2016 a expectativa é de que a Selic fique em 13,25%; para 2017, a maioria acredita que podemos caminhar para juros de 11%.

Depois de tantos números e “economês”, quero compartilhar algumas observações importantes sobre onde investir. A mensagem será a mais direta possível: continue aproveitando a renda fixa, mas não deixe de começar a avaliar com carinho algumas oportunidades que começam a aparecer na renda variável.

Poupança, ótima opção para quem quer rasgar dinheiro

Infelizmente, ainda existe muita gente que utiliza a caderneta de poupança como opção de investimento. Na atual regra, a poupança paga rendimento fixo de 0,5% ao mês mais TR. Por isso, não tira proveito da alta dos juros e ainda nesse momento perde para a inflação.

Se você não é louco o suficiente para rasgar dinheiro, melhor avaliar a busca por outros produtos para destinar seus investimentos.

Tesouro direto: melhor que colo de mãe

O Tesouro Direto é, sem dúvida, um dos investimentos mais indicados para quem quer segurança e rentabilidade.  O Tesouro Selic, por exemplo, que acompanha a alta dos juros, é uma das alternativas mais indicadas para quem não sabe quando vai precisar do dinheiro e rende 100% do CDI.

Quem quer se proteger da inflação e garantir um juro pós-fixado tem como alternativa o Tesouro IPCA+. Existem outros papeis interessantes no Tesouro Direto: se você quer mais informações sobre essa grande oportunidade, baixe gratuitamente nosso eBook “Invista Sem Medo em Títulos Públicos”.

Dólar: compre sempre aos poucos

A estratégia de comprar dólar para proteção ainda tem seu valor. Independente dos rumos da economia, manter a compra sistemática para formar um preço médio permite ter um planejamento efetivo e inteligente para programar gastos e viagens ao exterior.

Para quem pensa no dólar como investimento, faço o alerta de que o câmbio é um terreno escorregadio. Em pouco tempo tudo pode mudar e transformar oportunidades em grandes problemas.

Vídeo recomendado: Dicas para Viajar para o Exterior mesmo com o Dólar tão caro – TV Dinheirama 

Bolsa de Valores

O mercado de renda varável apresenta resultado interessante em 2016, mesmo com o país enfrentando uma das maiores crises de sua história. O mercado financeiro é um reflexo imediato da confiança e expectativa em torno do país e é inegável a mudança de humor do mercado a partir da ascensão do governo provisório.

A confiança vai aos poucos retornando ao mercado e, assim, existe a perspectiva de que em breve o país controle a inflação, volte a crescer e enfrente o desemprego, voltando a ter um círculo virtuoso que alavanque o mercado de capitais na mesma medida em que os juros também comecem a cair.

Concordo com as pessoas que consideram investir em ações uma decisão que precisa ser muito bem pensada e estudada. Felizmente, para quem tem um pouco de interesse e disposição existe uma gama de oportunidades a partir do acompanhamento de profissionais sérios que tornam a vida do investidor muito mais fácil.

Como investidor fiel da renda fixa e nem tanto da renda variável, procuro ouvir e dar muita atenção às orientações de dois analistas que se complementam: o fundamentalista Roberto Indech e o analista técnico Leandro Martins, que trabalham na corretora em que faço minhas operações.

Se você se interessa pelo mercado de ações, recomendo fortemente que abra sua conta gratuitamente na Rico.com.vc e comece a acompanhar as análises, vídeos e programas feitos tanto pelo Roberto como pelo Leandro. O aprendizado é tremendo e ninguém precisa pagar nada por isso.

Conclusão

Ainda teremos um longo caminho para sairmos da crise, afinal as mudanças na economia levam tempo para surtir efeitos práticos. O desemprego pode aumentar e, nesse meio tempo, em um mundo tão globalizado cada vez mais o futuro se torna uma caixinha de surpresas.

Pode demorar mais tempo do que o previsto, mas é certo que a “molezinha” dos juros altos e da alta rentabilidade da renda fixa vai diminuir. Não desperdice a oportunidade de aproveitar a chance única no mundo de conquistar dois dígitos de rentabilidade com risco praticamente zero. Depois não adianta dizer que não sabia. Até mais.

Leitura recomendada: O poder dos juros compostos no planejamento de longo prazo

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários