Juros altos, os bancos e o bolso do povo brasileiro“Nunca na história desse país os juros praticados pelos bancos e financeiras foram tão imorais e prejudiciais a saúde financeira das pessoas e do país”. Vocês não imaginam quantas vezes já ouvi esta frase nos últimos meses. Muitas vezes, pode acreditar. E, quer saber? Concordo e assino embaixo. O crédito brasileiro é muito caro e, de forma nada silenciosa, vem arrebentando com as finanças[bb] de muitas famílias. Como consequência, muita gente está sem condições de honrar seus pagamentos. A situação preocupa.

Um amigo disse que a frase do parágrafo anterior até parece uma máxima do Presidente Lula. Que eu saiba, ele não disse algo assim (ainda). Deveria dizer – ou já poderia ter dito. Afinal, trata-se da constatação imediata que encontramos ao olhar os resultados de inadimplência e os recordes de aumento dos juros no sistema financeiro brasileiro. E agora? Será que estou fazendo drama demais ou é o caso de ação corretiva, de “botar a boca no trombone”?

A importância do crédito
A origem da crise é conhecida (é o que dizem). É público e notório que ela surgiu justamente de questões relacionadas ao crédito e se alastrou por conta da desconfiança e falta de crédito (de novo?) para financiar o consumo da população e o giro da economia. Crédito, só se fala em crédito?

Diversos países, dentre eles também o Brasil, lançaram pacotes e mais pacotes com o objetivo de vitaminar a economia e garantir, ao mercado financeiro[bb] e aos cidadãos, que compromissos seriam honrados e que as instituições financeiras estariam, de certa forma, “garantidas” pelos governos. Muito bom. Mas, como fica a população?

Não são apenas os bancos que passam por dificuldades. Eles na verdade são o fim (ou será começo?) de um processo que surge da incapacidade das pessoas em honrar suas despesas e compromissos financeiros.

O caso brasileiro
Desde 2002, a partir do crescimento econômico, o brasileiro descobriu o crédito e tomou gosto pelos financiamentos como forma de conquistar bens de todos os tipos, como carros, casas e eletrônicos de uma forma geral. Não que tal atitude não fosse comum, mas houve grande intensificação nestes últimos anos.

De 2006 até o inicio do terceiro trimestre de 2008, presenciamos vendas recordes de carros e um crescimento fortíssimo da indústria automobilística nacional. Nunca tantos carros novos foram vendidos por aqui. As pessoas consumiam vorazmente, através das parcelas relativamente pequenas e prazos longos, jogando dívidas e mais dívidas para dentro do orçamento[bb]. O consumo diminuiu, as dívidas permanecem.

Tempo, o senhor da razão.
A crise chegou e os juros foram aumentando ainda mais. Brasileiros acostumados a usar o rotativo do cartão de crédito e o limite do cheque especial como parte da renda se afundaram em dívidas. O que fazer com o colégio das crianças, com as despesas do supermercado, com a TV a cabo, a Internet e, finalmente, com a parcela do carro novo? Pois é, com o orçamento mais (bem mais) apertado, a inadimplência deu novo salto:

“A inadimplência de pessoa física cresceu 7,5% nos dez meses de 2008, em relação ao mesmo período de 2007, aponta o Indicador Serasa, divulgado nesta sexta-feira pelo órgão de proteção ao crédito. Se considerado o índice de outubro, a inadimplência do consumidor cresceu 6,9% na comparação com outubro de 2007. Já na variação mensal, de setembro para outubro, a inadimplência avançou 4,9%.

Segundo a Serasa, ‘a evolução da inadimplência, entre janeiro e outubro de 2008, é reflexo do maior endividamento da população, do crédito mais caro, e da redução na capacidade de pagamento do consumidor, devido à alta da inflação, que refletiu principalmente no preços dos alimentos’”. Fonte: Folha de São Paulo, 14/11/2008.

Sua pergunta deve ser: o que o governo tem feito nesse meio tempo? Bom, as ações do governo são no sentido de liberar o compulsório e aumentar o nível de crédito. Certo, parece inteligente e eficaz, já que o objetivo é não deixar a economia “travar”. Mas, ai vem outra pergunta comum dos últimos dias: por que o governo concede milhões de reais aos bancos e estes, ainda assim, aumentam ainda mais os valores dos juros?

Não tenho resposta para tal pergunta. Parece que eles não querem correr riscos ao emprestar e dizem estar captando dinheiro mais caro lá fora. O spread é alto, nós pagamos grande parte da conta. Parte da resposta também fica clara se analisarmos os números dos bancos brasileiros e seus respectivos recordes de resultado, mesmo no meio da crise.

Eles estão errados?
Não. Fazem porque há espaço e podem fazer. Aqui entra meu desabafo pessoal: errado está o governo, que não exige nem determina o fim dessa imoralidade que são os juros aplicados dentro do país. Nós, consumidores, temos grande parcela de culpa: aceitamos e nos sujeitamos diariamente a essa política de juros, quase sempre calados. Enfim, discutir desejos e compra de bens é sempre algo espinhoso.

Diga não aos juros exorbitantes cobrados no Brasil! Ok, não é tão simples assim. Os juros da nação são elevados também, o que acaba balizando muito do que se negocia internamente. Mas eu precisava desabafar. Compre à vista tudo o que puder e procure educar-se financeiramente. Descubra, como poucos ainda fazem, que orçar e poupar[bb] para garantir a compra de algum bem podem ser o melhor caminho. Bom final de semana.

——
Ricardo Pereira é consultor financeiro, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários