Os juros cobrados pelos bancos para empréstimosQuem pega dinheiro emprestado em bancos realmente não tem muito que comemorar. A taxa média de juros de cheque especial não variou em abril e as do empréstimo pessoal diminuíram míseros 0,13%, de acordo com pesquisa realizada pela Fundação Procon de São Paulo.

Segundo a pesquisa, divulgada na última quinta-feira (10), a taxa média dos bancos para o cheque especial foi de 7,92% ao mês, mesmo valor registrado em março. Já para empréstimo pessoal, a taxa média dos bancos pesquisados ficou em 5,22%, contra os 5,35% apurados em março.

Quanto os bancos cobram?

É válido lembrar que essas taxas são uma média dos bancos e produtos analisados, visto que as taxas variam de banco para banco. Assim, é importante para o consumidor ter conhecimento sobre qual instituição oferece condições mais atraentes para seus objetivos – onde o crédito é mais barato.

A diferença entre a menor e a maior taxa é considerável. Enquanto a menor taxa cobrada para a modalidade cheque especial é de 4,27% ao mês, da Caixa Econômica Federal, a maior taxa verificada pelo Procon é de 9,87%, no Santander.

Na tabela abaixo é possível visualizar com mais facilidade os valores que essa diferença representa. Considerou-se que um cliente utilizou o limite de R$ 950 de sua conta corrente durante um mês:

Cheque especial por 1 mês *

Banco

Taxa mensal
(média/novembro)

Gasto total

Santander

9,87%

R$ 1.043,77

HSBC

9,82%

R$ 1.043,29

Bradesco

8,76%

R$ 1.033,22

Itaú

8,75%

R$ 1.033,13

Safra

8,25%

R$ 1.028,38

Banco do Brasil

5,70%

R$ 1.004,15

Caixa Econômica Federal

4,27%

R$ 990,57

Nessas condições, é possível constatar que o cliente que optar pelo cheque especial na Caixa Econômica Federal gastará R$ 53,2 a menos que no Santander.

Para empréstimos pessoais, a menor taxa também é encontrada na Caixa Econômica Federal (3,51% ao mês). No topo, entre as maiores taxas médias, está modalidade de crédito cobrada pelo Bradesco, registrando 6,17% ao mês.

O cálculo a seguir mostra quanto custa emprestar R$ 1,5 mil para pagamento ao longo de 12 meses, assim como a variação do custo do dinheiro de banco para banco: 

Empréstimo pessoal em 12 meses *

Banco

Taxa mensal
(média/novembro)

Gasto total

Bradesco

6,17%

R$ 2.167,04

Itaú

6,02%

R$ 2.149,34

Santander

5,91%

R$ 2.136,41

HSBC

5,77%

R$ 2.120,00

Safra

4,90%

R$ 2.019,42

Banco do Brasil

4,27%

R$ 1.948,11

Caixa Econômica Federal

3,51%

R$ 1.863,61

Compilação: InfoMoney (os dados não levam em consideração outros encargos, como IOF – Impostos sobre Operações Financeiras)

Sob a perspectiva apresentada, a diferença de gastos entre optar pela Caixa Econômica Federal ou pelo Bradesco é de R$ 303,43.

Pense antes de agir

É importante para qualquer consumidor ficar atento e avaliar a real necessidade de empréstimo antes de contratar qualquer modalidade de crédito. Os custos envolvidos e a capacidade de pagamento são pontos que devem ser levados em conta para que o cliente não piore ainda mais a situação em que se encontra.

Como o uso de crédito e o perigo das dívidas são assuntos recorrentes no Dinheirama, convidamos você, leitor, a ler alguns artigos publicados recentemente:

Nota: O levantamento do Procon-SP foi realizado no dia 02 deste mês e envolveu Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. Os dados coletados referem-se às taxas máximas pré-fixadas para clientes não preferenciais, independente do canal de contratação, sendo que para o cheque especial, a Fundação considerou o período de 30 dias.

Fonte: UOL. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários