Home Mercados Juros futuros têm fortes baixas e precificam Selic estável

Juros futuros têm fortes baixas e precificam Selic estável

Nesta quarta-feira, Lula decidiu interromper as críticas e, em movimento contrário, afirmar que a responsabilidade fiscal é um compromisso de seu governo

por Reuters
3 min leitura

As taxas dos DIs fecharam a quarta-feira com fortes baixas após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva evitar novos ataques ao Banco Central e à política monetária e reiterar compromisso com a responsabilidade fiscal, o que fez a curva a termo voltar a precificar chances maiores de manutenção da taxa Selic em 10,50% este mês.

O movimento também encontrou respaldo do exterior, onde as taxas dos Treasuries cederam na esteira de dados fracos da economia norte-americana.

No fim da tarde, a taxa do Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2025 que reflete a política monetária no curtíssimo prazo estava em 10,695%, ante 10,782% do ajuste anterior.

Já a taxa do DI para janeiro de 2026 estava em 11,525%, ante 11,702% do ajuste anterior, enquanto a taxa para janeiro de 2027 estava em 11,84%, ante 12,017%.

Entre os contratos mais longos, a taxa para janeiro de 2031 estava em 12,3%, ante 12,457%, e o contrato para janeiro de 2033 tinha taxa de 12,29%, ante 12,452%.

Após terem recuado na reta final da terça-feira, as taxas dos DIs abriram a quarta novamente em queda, em meio à expectativa de que o governo possa deixar a retórica de lado e atuar para conter a crise de confiança que atingiu os ativos brasileiros nas últimas semanas.

Desde 18 de junho um dia antes de o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidir manter a taxa Selic em 10,50% ao ano Lula vinha criticando quase que diariamente o nível dos juros, o mercado financeiro, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e as propostas de corte de gastos para ajuste fiscal.

Daquela data até terça-feira, Lula disparou suas críticas em 8 de 11 dias úteis, o que fez o dólar e as taxas futuras saltarem no Brasil, com o mercado chegando a precificar nos últimos dias a possibilidade de o BC subir a Selic já neste mês.

“O mercado está um pouco mais calmo hoje (quarta-feira)… com esta ideia de que o governo deve se mexer e apresentar medidas para controlar esta escalada do dólar, que nada mais é que uma crise de confiança”, disse pela manhã o economista-chefe do Banco Master, Paulo Gala, em comentário enviado a clientes.

Banco Central do Brasil
Banco Central do Brasil (Imagem: Raphael Ribeiro/BCB)

“Os dados de Brasil estão bons, como a gente tem falado. (A crise) é muito mais uma incerteza com o que vai acontecer com o arcabouço fiscal, o que vai acontecer com o Banco Central, do que propriamente uma crise da economia brasileira”, acrescentou.

Nesta quarta-feira, Lula decidiu interromper as críticas e, em movimento contrário, afirmar que a responsabilidade fiscal é um compromisso de seu governo.

“A gente vai ter uma política econômica sem causar sobressalto a ninguém, a gente vai ter uma política econômica que vai fazer esse país crescer, a gente vai continuar fazendo transferência de renda, e a gente ao mesmo tempo vai continuar com a responsabilidade que nós sempre tivemos”, disse Lula em evento no Palácio do Planalto.

“Responsabilidade fiscal não é uma palavra, é um compromisso deste governo desde 2003, e a gente manterá ele à risca”, acrescentou, sem fazer considerações sobre o BC, a Selic ou o atual nível do câmbio.

Os comentários amenos do presidente, aliados à expectativa de que o governo possa de fato adotar medidas em especial na área fiscal para restaurar a confiança do mercado, fizeram o dólar e as taxas dos DIs despencarem.

Às 13h57, após a fala de Lula no Planalto, a taxa do DI para janeiro de 2026 um dos mais líquidos atingiu a mínima de 11,500%, em baixa de 20 pontos-base ante o ajuste da véspera.

No mesmo evento no Planalto, Haddad disse a jornalistas que a diretoria do Banco Central tem autonomia para atuar no câmbio como entender conveniente e que não há orientação contrária.

Ele acrescentou que acredita que o dólar vá se acomodar, reforçando que a responsabilidade fiscal é um compromisso da vida pública do presidente.

Os comentários conciliadores de Lula e Haddad somaram-se à expectativa em torno da reunião de Lula com os ministros da Fazenda, Fernando Haddad, e do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, entre outros, para tratar do câmbio. Originalmente marcado para as 16h30, o encontro foi adiado para as 18h.

Perto do fechamento, a curva a termo precificava 66% de chances de manutenção da Selic no fim deste mês e 34% de possibilidade de alta de 25 pontos-base da taxa básica. Isso demonstra uma inversão ante o que era visto na véspera, quando as apostas na alta de 25 pontos-base eram majoritárias.

No exterior, o mercado de Treasuries fechou mais cedo em função do feriado de quinta-feira nos Estados Unidos, com os rendimentos em baixa firme.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.